fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Após pedido de príncipe árabe, Bolsonaro apoia saudita para sucessão na OMC

A entidade que supervisiona o comércio mundial está em processo de seleção de seu novo diretor-geral, após o brasileiro Roberto Azevêdo ter antecipado em mais de um ano sua saída do cargo

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Ricardo Della Coletta
Brasília, DF

Após um pedido do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou que o Brasil apoie o candidato daquele país, Mohammad Maziad Al-Tuwaijri, para o comando da OMC (Organização Mundial do Comércio).

A entidade que supervisiona o comércio mundial está em processo de seleção de seu novo diretor-geral, após o brasileiro Roberto Azevêdo ter antecipado em mais de um ano sua saída do cargo.

Na atual rodada de seleção, que terminou nesta terça-feira (6), cada país indicou dois candidatos de uma lista de cinco para permanecerem na disputa. Além de Al-Tuwaijri, o Brasil endossou a nigeriana Ngozi Okonjo-Iweala, disseram à reportagem membros do governo que acompanham o tema.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A votação é secreta. Entre interlocutores que acompanham o assunto na OMC, a expectativa é que tenham passado para a rodada final Okonjo-Iweala e a coreana Yoo Myung-hee.

Okonjo-Iweala é considerada uma das favoritas para substituir Azevêdo, uma vez que reúne apoio dos Estados Unidos e da União Europeia.

Mas a inclusão do azarão Al-Tuwaijri entre as preferências brasileiras foi interpretada por interlocutores como resultado de uma aproximação entre Bolsonaro e Arábia Saudita, que culminou com a chamada telefônica, na segunda (5), do monarca Mohammad bin Salman ao líder brasileiro.

Na conversa entre Bolsonaro e Salman, segundo relatos feitos à reportagem, o príncipe renovou as intenções sauditas de realizar investimentos no Brasil e finalizou pedindo o suporte para seu candidato à OMC.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Hoje conversei com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammad bin Salman Al Saud, para dar seguimento às iniciativas acordadas em minha visita a Riade, em outubro de 2019. Estamos aprofundando nossa cooperação em defesa, comércio, investimentos e outros temas”, escreveu Bolsonaro em suas redes sociais.

Durante a viagem do presidente no final do ano passado, um fundo soberano do reino árabe prometeu investimentos da ordem de US$ 10 bilhões (cerca de R$ 56 bilhões) no Brasil, em projetos que incluem infraestrutura e concessões.

Da parte brasileira, a chamada telefônica de segunda foi uma oportunidade para Bolsonaro reiterar a Salman que o Brasil tem interesse em receber esses investimentos.

Desde a passagem do presidente brasileiro por Riade, Brasil e Arábia Saudita têm se apoiado em alguns temas em fóruns multilaterais, disseram interlocutores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No G20, por exemplo, o governo brasileiro respondeu positivamente a uma consulta saudita -que preside o órgão neste ano- sobre a disposição de Bolsonaro de comparecer a uma cúpula presencial prevista para o final de novembro.

No entanto, após outros chefes de governo do G20 indicarem que não participariam de uma reunião presencial devido à pandemia do coronavírus, os sauditas optaram por organizar um encontro virtual.

Além de Al-Tuwaijri, Okonjo-Iweala e Myung-hee, estão na atual fase da seleção para o comando da OMC a queniana Amina Mohamed e o britânico Liam Fox. A expectativa é que o anúncio dos finalistas ocorra nesta quinta (8).

Também na segunda, Bolsonaro falou por telefone com Moon Jae-in, presidente da Coreia do Sul, que pediu apoio para a candidata de seu país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A eleição ocorre seguindo regras que priorizam o consenso, de forma que cada país é chamado a indicar suas preferências em listas que vão se afunilando até que se chegue aos dois finalistas, que devem ser anunciados nos próximos dias. A etapa inicial da eleição tinha oito postulantes, mas três nomes já tinham sido eliminados.

Como a queniana Amina Mohamed tinha o apoio da China e também era considerada bem posicionada na corrida, existia o receio entre especialistas que uma eventual final entre ela e a candidata nigeriana levasse a um impasse no órgão, com Pequim e Washington se digladiando para eleger seus escolhidos.

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade