Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

‘Agricultura que exporta não tem nada a ver com Amazônia’, diz ministra

De acordo com os dados divulgados hoje, o Mato Grosso é o segundo Estado com maior taxa de desmatamento, de 17,2%

Publicado

em

agricultura
PUBLICIDADE

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta segunda-feira, 18, que o aumento de 29,5% no desmatamento na Amazônia, divulgado hoje, é um dado melhor do que o que se dizia anteriormente e que “não faz o menor sentido” avaliar que isso pode prejudicar negociações comerciais do Brasil com os Estados Unidos, onde ela está nesta semana para reuniões com o governo americano e encontros no Banco Mundial e no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Ao justificar que não haverá impacto comercial, a ministra buscou desassociar o agronegócio exportador da situação da Amazônia e afirmou que “a agricultura brasileira que exporta está no Centro Oeste, no Sul e no Sudeste do País” e que “essa agricultura não tem nada a ver com a Amazônia”. A região da Amazônia Legal, no entanto, abarca partes do Centro-Oeste, como o Estado do Mato Grosso. De acordo com os dados divulgados hoje, o Mato Grosso é o segundo Estado com maior taxa de desmatamento, de 17,2%.

Análise divulgada hoje pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), o sistema do Inpe que fornece a taxa oficial anual de desmatamento da Amazônia, informou que o desmatamento na Amazônia subiu 29,5% entre 1º de agosto do ano passado e 31 de julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores, atingindo a marca de 9 762 km². É a mais alta taxa desde 2008.

Questionada nesta manhã se o aumento do desmatamento pode criar algum empecilho na relação comercial do Brasil com outros países, como os EUA, a ministra afirmou: “De jeito nenhum. Não faz o menor sentido. (…) A agricultura brasileira que exporta não é a agricultura da Amazônia de jeito nenhum. Precisamos parar de falar isso. A agricultura brasileira que exporta está no Centro-Oeste, no Sul e no Sudeste do País. Essa agricultura não tem nada a ver com a Amazônia”.

Parlamentares americanos têm cobrado o compromisso ambiental do Brasil em manifestações enviadas ao governo dos EUA. A repercussão internacional das queimadas na Amazônia fez com que, em setembro, o deputado democrata Peter DeFazio apresentasse projeto de lei na Câmara dos Estados Unidos para proibir a importação de produtos brasileiros como carne e soja, em resposta ao aumento das queimadas na Amazônia.

A ministra Tereza Cristina minimizou ainda o aumento no desmatamento na casa dos 30%. Ela assumiu que há um problema a ser discutido sobre o tema, mas que não é o “dado maluco que estavam falando”. “Eu vi que houve um aumento realmente de 30% mas não é os 90% que estavam falando em junho. Junho e julho saiu um dado maluco, 93%. Não é isso. Aumentou? Aumentou. Tem problema? Claro que tem problema. Agora, hoje, nós temos ferramentas que existiam mas que não andavam alinhadas que você pode ir diretamente ao ponto. Saber onde você tem desmatamento em terras públicas que não estão concessionadas e que ali são desmatamentos ilegais, onde é desmatamento legal”, afirmou, em Washington.

Em outubro, dados apontavam que entre 1 de janeiro e 30 de setembro, o volume acumulado de desmatamento na Amazônia chegava a 7.853 km², um volume 93% maior que o verificado nos primeiros nove meses de 2018, quando a devastação da floresta atingiu 4 075 km². Os dados eram do do Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), do Inpe. O Deter é um sistema atualizado em tempo real para orientar a fiscalização, mas não é considerado o dado oficial.

O Prodes, divulgado hoje, apresentou o cenário até julho, enquanto o Deter compilou a situação na Amazônia também em agosto e setembro. Além de os dados considerarem períodos diferentes, foram coletados por sistemas diferentes do próprio Inpe. O governo Bolsonaro vinha desacreditando números que mostravam a alta no desmatamento e o próprio presidente Jair Bolsonaro chegou a sugerir que o então presidente do Inpe estava “a serviço de alguma ONG”.


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade