fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Política & Poder

Adiamento da votação da Lei do Silêncio coloca fogo na Câmara

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Francisco Dutra
[email protected]

Novamente, a Câmara Legislativa adiou a votação da Lei do Silêncio e amatéria foi jogada para a próxima semana. Desta vez, os deputados distritais que defendem a ampliação dos limites sonoros  soltaram o verbo contra os sucessivos movimentos para o adiantamento da votação, nas últimas três semanas. Parlamentares contrários à flexibilização negam a manobra, argumentando que buscam consenso.

“Não dá mais para ficar adiando. Espero que a Câmara vote na próxima semana”, disparou o deputado Ricardo Vale  (PT), autor da proposta de ampliação dos limites acústicos. O parlamentar ficou indignado quando soube que a Casa poderia apreciar um novo projeto de lei sobre o tema. “Eu esperava o debate, que apresentassem emendas. Mas um novo projeto? Isso é recomeçar a discussão que vem sendo feita há 3 anos”, desabafou.

Francisco Dutra

“Espero que depois das eleições a próxima legislatura seja menos conservadora e seja mais progressista. Essa Câmara de hoje não pensa na população”, alfinetou o petista. Outros parlamentares fizeram coro, como Telma Rufino (Pros) e Cláudio Abrantes (PDT). Reginaldo Veras (PDT) colocou ainda mais linha na fogueira. “Essa enrolação me nega o direito de votar “, esbravejou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente da Câmara, deputado Joe Valle (PDT), negou qualquer manobra para adiar a votação. “Não é enrolação buscar o consenso”, rebateu. O autor do novo projeto,  deputado Chico Vigilante (PT), argumentou que a proposta busca uma votação viável e dentro dos padrões dos órgãos de controle e saúde. “Eu não aceito qualquer alteração nos decibéis. E quanto mais me provocam,  mais tenho certeza que vou votar contra”, revidou.




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade