Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Rodrigo Pacheco quer votar projeto sobre preço de combustíveis

A ideia do projeto é “proteger os interesses do consumidor, reduzir a vulnerabilidade externa e as mudanças constantes dos preços internos”

Foto: Agência Brasil

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, afirmou nesta segunda-feira, 17, que intenciona pautar para votação em plenário o projeto de Lei (PL) 1472/21, que visa criar uma estabilidade e previsibilidade no preço dos combustíveis para que dessa forma, o modelo atual de remarcação frequente nos postos de gasolina seja freado.

Através de uma nota de sua assessoria, Pacheco disse que irá submeter a decisão ao Colégio de Líderes, em fevereiro, para decidir sobre a apreciação ou não do projeto. O presidente do Senado já tem um nome certo para a relatoria do projeto, o senador Jean Paul Prates (PT-RN).

O projeto prevê a formação dos preços dos combustíveis derivados do petróleo tendo como referência as cotações médias do mercado internacional, os custos internos de produção e os custos de importação. A ideia do projeto, de autoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE), é “proteger os interesses do consumidor, reduzir a vulnerabilidade externa e as mudanças constantes dos preços internos”.

Carvalho é um crítico da fórmula atual de cálculo dos preços dos combustíveis, com base na Paridade de Preços Internacionais (PPI). “Percebe-se que a adoção do PPI tem consequências para toda a economia, em detrimento dos mais vulneráveis. Neste sentido, reforça-se a necessidade de debater a política de preços da Petrobras, o modo como ela incentiva as importações e as alternativas a ela”, disse.

O Congresso Nacional retorna do recesso no dia 2 de fevereiro e esse é um tema que deve tomar conta da agenda dos parlamentares.

Existe ainda outro projeto sobre o tema tramitando na Casa, o PL 3.450/2021. Ele proíbe a vinculação dos preços dos combustíveis derivados de petróleo aos preços das cotações do dólar e do barril de petróleo no mercado internacional. Pelo texto, a Petrobras não poderia vincular os preços dos combustíveis derivados de petróleo como o óleo diesel, a gasolina e o gás natural.

O autor desse segundo projeto, Jader Barbalho (MDB-PA), lembrou que a política de preços da Petrobras adotada em 2016 vincula a cotação do dólar ao preço do combustível pago pelo consumidor. “Ou seja, quando o dólar está alto, o preço do barril de petróleo também sobe, impactando diretamente no preço do combustível brasileiro”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações da Agência Brasil








Você pode gostar