Política & Poder

Relatório aponta que família Bolsonaro lidera ranking de ataque à imprensa em 2020

O deputado federal Eduardo Bolsonaro é o líder com 208 ataques a jornalistas. O presidente Jair Bolsonaro vem em seguida, com 103 ataques

(FILES) In this file photo taken on December 17, 2020, Brazilian President Jair Bolsonaro gestures during the inauguration ceremony of his new Tourism Minister Gilson Machado (not depicted) at Planalto Palace in Brasilia, on December 17, 2020. – On Thursday, January 7, Brazilian president Jair Bolsonaro, an ally of Donald Trump’s government, avoided criticising Trump’s supporters who on Wednesday, January 6, invaded the Capitol and was sympathetic to the accusations of electoral fraud that motivated the riots. (Photo by EVARISTO SA / AFP)

Balanço feito pela organização não governamental Repórteres Sem Fronteira mostra que, em 2020, o presidente Jair Bolsonaro e pessoas do seu entorno promoveram 580 ofensas a profissionais e empresas de comunicação.

Bolsonaro e seus filhos Eduardo e Carlos estão no topo do ranking de “predadores da liberdade de imprensa”, feito pelos Repórteres Sem Fronteira.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) é o líder com 208 ataques a jornalistas. O presidente Jair Bolsonaro vem em seguida, com 103 ataques, e Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), vereador no Rio de Janeiro, é o terceiro com 89 ataques.

Bolsonaro e seus filhos respondem por 85% das ofensas promovidas por autoridades à imprensa em 2020 compiladas pela organização não governamental.

No dia 20 de janeiro deste ano, Eduardo Bolsonaro foi condenado a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello, repórter da Folha, em R$ 30 mil por danos morais. A Justiça ainda determinou o pagamento de custas processuais e honorários advocatícios no valor de 15% da condenação. Cabe recurso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A repórter acionou a Justiça após ataque, com ofensa de cunho sexual, feito numa live e em publicação em rede social. Em transmissão ao vivo, Eduardo afirmou que a jornalista “tentava seduzir” para obter informações que fossem prejudiciais ao seu pai. A live foi ao ar pelo canal do YouTube Terça Livre TV em 27 de maio do ano passado.

O balanço do Repórter Sem Fronteiras aponta que as redes sociais foram o meio preferido de Bolsonaro, seus filhos e ministros para declarações desse tipo. Pelo Twitter, foram publicadas 489 mensagens com hostilidade a profissionais da imprensa.

Metade dos ministros de Bolsonaro contribuiu com os ataques a jornalistas aferidos no levantamento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Dos 22 ministros, 11 deles promoveram alguma ofensa a jornalistas. Damares Alves, titular da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, foi quem mais atacou, protagonizando 19 episódios de hostilidade.

O relatório traz uma análise em que aponta que o Palácio da Alvorada, residência oficial do presidente da República, se tornou “palco de humilhações públicas de jornalistas”.

“Em 2020, o Palácio da Alvorada em Brasília, onde o presidente mora e de onde costuma dar coletivas informais pela manhã, se tornou símbolo da sua hostilidade aos jornalistas. Foi lá que, no dia 3 de março, Jair Bolsonaro saiu de seu veículo oficial acompanhado por um humorista disfarçado de presidente, a quem pediu para distribuir bananas aos jornalistas presentes. Essa cena surreal foi transmitida ao vivo nas redes sociais da presidência”, diz o documento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As informações são da FolhaPress






Você pode gostar