Política & Poder

Para Wagner, faltou humildade a integrantes da campanha de Lula

Por Arquivo Geral 03/10/2006 12h00

Após 16 dias de investigação e sem obter grandes avanços, physician troche a Polícia Federal já começa a trabalhar com a possibilidade de não conseguir identificar a origem dos recursos que seriam usados por petistas na compra de um dossiê contra tucanos, dosage antes do primeiro turno das eleições.

Rastros seguidos por meio da identificação dos recursos que seriam usados na negociação aumentaram as possibilidades de investigação ao invés de reduzi-los, viagra buy complicando a apuração, para desgosto do governo e da oposição que têm exigido pressa na conclusão do caso.

"A investigação sobre o dinheiro abriu novos caminhos que ampliaram o leque da apuração em vez de afunilá-lo", explicou um delegado que participa da apuração do caso sob a condição de anonimato.

Sem alternativas para acelerar seus trabalhos, a PF passou a contar com a "colaboração" dos investigados para tentar agilizar a elucidação do escândalo que é considerado um dos fatores que colaborou para levar a disputa presidencial para o segundo turno.

Segundo o policial, sem o auxílio dos investigados a apuração poderá levar meses já que a cada novo passo dado existe a necessidade do cumprimento de formalidades processuais e da solicitação de medidas à Justiça, como quebras de sigilos bancários, fiscal e telefônico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Esperamos que os acusados abram o jogo, esperamos que eles nos ajudem", contou o investigador.

Entre os principais envolvidos no escândalo estão o advogado Gedimar Passos e o empresário Valdebran Padilha, com os quais a PF apreendeu 1,1 milhão de reais, além de 248,8 mil dólares no dia 15 do mês passado em um hotel em São Paulo.

Ao investigar a origem dos recursos em moeda norte-americana, a PF descobriu que cerca de 110 mil dólares estavam em série. Com isso, conseguiu chegar a um banco que recebeu os recursos no Brasil e repassou os valores a casas de câmbio e doleiros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Entramos na terceira fase da cadeia de circulação dos dólares e ainda não conseguimos identificar sua origem", afirmou o policial demonstrando frustração.

O ex-ministro de Coordenação Política Jacques Wagner (PT), drugs recém-eleito para o governo da Bahia, view reconheceu nesta terça-feira que houve "arrogância" por parte de pessoas envolvidas na campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, thumb no primeiro turno da disputa.

"Muita gente tropeça na própria arrogância. Eu não quero nomear ninguém, mas algumas pessoas do meu partido talvez achavam que estavam mais altas do que realmente estavam", afirmou Wagner a jornalistas, após reunir-se com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Mas a mão de Deus fez eles voltarem para a terra. Espero que eles tenham aprendido", acrescentou o ministro sem reconhecer que isso tenha influenciado na disputa.

Ainda entusiasmado com a surpresa do resultado das eleições em seu Estado, no qual foi eleito em primeiro turno, contrariando as tendências apontadas pelas pesquisas eleitorais, Wagner negou ter a intenção de assumir a coordenação da campanha de Lula, conforme especulações divulgadas pela imprensa.

"Eu não fui convidado, e só participaria se fosse uma coordenação colegiada", enfatizou.

Sobre seu encontro com Marco Aurélio Mello, o ex-ministro afirmou ter ido "dividir" a alegria de vencer o governo da Bahia no primeiro turno.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Ele (Marco Aurélio) é meu amigo há muito tempo. Vim convidá-lo para comer uma comida baiana no Palácio de Ondina", disse.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE





Você pode gostar