Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid

Médico, Terra é um dos conselheiros do presidente Jair Bolsonaro para assuntos sobre a pandemia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

São Paulo, SP

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) publicou no Twitter uma mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid-19, número 250 vezes maior do que ele havia previsto em março do ano passado, quando afirmou que a pandemia causaria 2.000 óbitos. À época, ele disse que a previsão poderia desmoralizá-lo.


No tuíte, publicado na manhã deste domingo (20), Terra diz que perdeu pessoas queridas e lembra que ele mesmo esteve internado em uma UTI por causa do coronavírus.


“Nessa trágica pandemia perdi pessoas queridas e estive numa UTI. A minha solidariedade a todos que tiveram perdas. São 500 mil no Brasil e 3,8 mi no mundo. Que a gente reflita sobre nossa fragilidade diante das forças da natureza e aprenda a enfrentá-las melhor, agora e no futuro.”


Médico, Terra é um dos conselheiros do presidente Jair Bolsonaro para assuntos sobre a pandemia. Ele virou referência entre bolsonaristas ao publicar mensagens e vídeos contra o distanciamento social e que minimizam a pandemia.


Em uma delas, de outubro, ele usa dados imprecisos para colocar em cheque a eficácia de medidas de distanciamento, como o lockdown. Em outro tuíte enganoso, publicado no mesmo mês, Terra diz que “não há registro histórico de pandemia de um novo vírus que termina com vacina! Isso só acontece com a imunidade de rebanho”.


O ex-ministro da Cidadania é apontado como um dos membros do gabinete paralelo. Segundo registros, ele esteve presente em 11 reuniões do grupo. Terra foi convocado para depor na CPI da Covid nesta semana e deve falar à comissão na terça-feira (22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Para Otto Alencar (PSD-BA), um dos membros da CPI, Osmar Terra “foi o grande defensor da imunidade de rebanho. As previsões deles foram todas incorretas e ele chegou a orientar [o ex-ministro Eduardo] Pazuello”.

As informações são da Folhapress






Você pode gostar