Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Notícias

Modalmais/AP Exata: Popularidade do governo se mantém estável em meio a crises

Segunda pesquisa, o índice dos que consideram a gestão ruim/péssima foi de 51,1%, mesmo número da semana passada

Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

Mesmo em meio às crises envolvendo a Ministério da Educação e a queda do presidente da Caixa Econômica Federal após Pedro Guimarães ser denunciado por assédio sexual, a popularidade do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) finalizou a semana estável na taxa de aprovação nas redes sociais.

É o que mostram dados divulgados nesta sexta-feira, 1º, pela pesquisa Modalmais/AP Exata. O índice dos que consideram a gestão ruim/péssima foi de 51,1%, mesmo número da semana passada.

O mesmo aconteceu com o porcentual daqueles que veem o governo como positivo, que ficou em 29,6%. O índice de avaliação regular é de 19,3% (1 p.p a mais).

Pode estar na conta a PEC dos Benefícios, que passou no Senado. A promessa da PEC é turbinar e conceder uma série de benefícios sociais.

Com a aprovação da proposta no Senado, governistas nutriram um discurso positivo para o governo e usaram a resistência da esquerda – que acusa o governo de tentar “comprar o voto” do povo com a proposta -, para atacar o grupo.

“Eles (os governistas) retrataram a luta contra o pacote de benefícios como politicagem da esquerda para prejudicar não só o presidente, mas também a população mais pobre, que enfrenta inflação, fome e miséria”, diz trecho da pesquisa.

Em meio a todas essas notícias, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) perdeu espaço nas redes para Bolsonaro, “que tem sido o foco das discussões políticas envolvendo a PEC dos Auxílios, o MEC e a Caixa”, apontou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os dois candidatos são responsáveis por 96,4% do total de menções a presidenciáveis. As menções a Bolsonaro foram 55,1% e as de Lula 40%.

Estadão Conteúdo








Você pode gostar