Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Lira, sobre Auxílio Brasil: ‘Vamos esperar que nasça a proposta’

O presidente da Câmara disse ainda que as reações negativas do mercado nesta terça-feira, 19, ao novo arranjo da política social “são ruins”

Por Agência Estado 19/10/2021 11h50

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), evitou falar sobre o novo arranjo para o Auxílio Brasil, com pagamento de R$ 400 até dezembro de 2022 e parte da despesa fora do teto de gastos. Mais cedo, ele se reuniu com os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira, e da Cidadania, João Roma, para tratar do tema.

“Não vou falar sobre perspectivas, vou esperar, o governo está trabalhando, os líderes do governo estão trabalhando, os ministros estão trabalhando, vamos esperar que nasça a proposta”, disse Lira.

O presidente da Câmara disse ainda que as reações negativas do mercado nesta terça-feira, 19, ao novo arranjo da política social “são ruins”. “Mas é importante que a gente não gere expectativas em cima de projeções. Vamos esperar o que sai, o que acontece”, afirmou.

Lira ainda criticou o Senado por não ter votado a reforma do Imposto de Renda, já aprovada na Câmara e cuja proposta de taxação de lucros e dividendos seria fonte de financiamento para o aumento permanente do Auxílio Brasil. Agora, sem essa fonte, o que está em discussão são benefícios temporários para turbinar a política social até o fim de 2022, ano em que o presidente Jair Bolsonaro buscará a reeleição.

“Na realidade, o Senado está parado com relação às votações que são estruturantes, e isso também vai impactando. Estamos no final do ano e até agora nenhuma posição sobre o imposto de renda, que todos nós sabemos que é base de cálculo para a nova fonte (do auxílio). Então o governo deve estar trabalhando para ter alternativas caso o Senado decida não votara reforma do IR aprovada pela Câmara”, afirmou Lira.

“O mercado não está precificando a falta de votação de Senado. Você não é obrigado a votar uma matéria, mas sabendo a importância desse tema, o Senado não quer se debruçar sobre esse tema”, acrescentou o presidente da Câmara.

Ontem, em entrevista à Veja, Lira disse que os programas sociais “não são eleitoreiros, são urgentes”. “Como a gente ia justificar furar o teto para pagar precatórios, e muitos precatórios já foram vendidos, estão nas mãos de fundos de investimentos, e não furarmos o teto para um programa (social) ou para um auxílio? Como politicamente não se aprova isso?”, disse à revista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar