Política & Poder

Leila e Izalci em campos opostos

Com quase 195 anos de existência Senado nunca foi presidido por uma mulher

Por Catarina Lima 20/01/2021 5h56

A senadora Leila Barros (PSB) vai apoiar a colega Simone Tebet (MDB-MS) para a presidência do Senado. A brasiliense acredita que depois de ter sido comandado por homens por quase 195 anos – que serão completados no dia 06 de maio – o Senado precisa agora ter uma mulher na presidência. Mas a parlamentar do DF deixa claro que não foi somente pelo fato de Tebet ser mulher que a escolheu com candidata, mas principalmente pela experiência, equilíbrio, serenidade e capacidade de diálogo demonstrados no dia a dia da Casa.

“A Simone Tebet foi presidente da Comissão de Constituição e Justiça e desempenhou um excelente trabalho”, avaliou. Leila elogiou o também candidato à presidência, Rodrigo Pacheco, mas acredita que este é o momento de eleger uma mulher para presidir o Senado. “Ele é qualificado, um bom nome”, disse.

Desafio para os próximos dois anos

A senadora de Brasília elege como os maiores desafios para o próximo presidente do Senado, a retomada da economia e a contribuição para melhorar as relações diplomáticas do Brasil com outros países. Na agenda econômica ela destacou a necessidade de se fazer a reforma tributária. “Quem for eleito presidente terá que se comprometer com as reformas”, destacou. No momento existem três projetos de reforma tributária tramitando no Congresso Nacional, um no Senado (PEC 110) e dois na Câmara. Dos que estão na Câmara, um é de autoria do Executivo (PL 3.887) e a PEC 45, apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP) candidato à presidência daquela Casa.

Mas para que a agenda econômica caminhe, a senadora Leila lembra da necessidade de se imunizar a população brasileira contra o coronovírus. “O país só avança se tivermos a vacina. Existem muitos senadores que estão faixa de maior risco caso contraiam o coronavírus. Eu já tive a covid e não estou na faixa etária de risco. Muitos senadores estão na mesma situação que eu. Este podem ir para o front, para ajudar para que o Brasil tenha a vacina”, avaliou a senadora.

Izalci

O senador pelo Distrito Federal, Izalci (PSDB), assim como a bancada de seu partido no Senado, decidiu apoiar a candidatura de Rodrigo Pacheco, do DEM, à presidência da Casa. “As que questões que nos levam a apoiar o Rodrigo são mais regionais. Pessoalmente gosto da senadora Simone Tebet. Os dois são advogados, ele foi presidente da CCJ da Câmara e ela da do Senado. Eles têm trajetórias parecidas, a questão é regional”, explicou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim como a senadora Leila, Izalci disse que quem se sentar na cadeira de presidente do Senado no próximo biênio deverá ter capacidade de diálogo e de manter a independência da Casa.

O senador do DF também espera que o próximo presidente do Senado contribua para a solução dos problemas diplomáticos hoje enfrentados pelo País. “O Brasil está colhendo o que o Ernesto Araújo e filho do presidente disseram. E eles não falam pelo Congresso ou pelo povo brasileiro”, frisou Izalci, referindo-se ao ministro das Relações Exteriores e ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Izalci dedicou boa parte do dia de ontem participando de reuniões com outros senadores buscando alternativas para melhorar as relações com a China e, assim, conseguir que o país asiático envie o mais rápido possível o insumo necessário para a produção de vacinas para combater o coronavírus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar