Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Economia veta projeto do MEC para dividir universidades em redutos do centrão

A ideia inicial era criar 5 universidades e 5 institutos técnicos federais a partir de unidades que já existem, conforme minuta de projeto

Por FolhaPress 09/12/2021 11h37
Foto: Agência Brasil

Paulo Saldaña e Julio Wiziack
Brasília, DF

A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu vetar o projeto patrocinado pelo MEC (Ministério da Educação) para criar universidades e institutos federais a partir do desmembramento de campi já em funcionamento.

A área econômica resiste à iniciativa por causa do aumento de gastos sem que houvesse previsão de novas vagas para alunos. O plano abraçado pelo ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, surgiu para atender interesses de políticos do centrão, aliados do governo.

A ideia inicial era criar cinco universidades e cinco institutos técnicos federais a partir de unidades que já existem, conforme minuta de projeto obtida pela Folha. Isso significaria a criação de 2.912 cargos para comandar essas instituições novas que, na prática, já funcionam.

Esse inchaço da máquina pública viria com um crescimento de gastos, que podem chegar a R$ 500 milhões por ano, segundo estimativas do Ministério da Economia. O MEC projetou um impacto menor, de R$ 147 milhões ao ano.

Nenhuma quantia, entretanto, está prevista no projeto de Orçamento de 2022 enviado ao Congresso, e a depender da equipe de Guedes não estará na versão final da lei.

Questionado, o Ministério da Economia diz que o assunto continua em discussão na pasta, mas a negativa ao projeto do MEC foi confirmada à Folha por integrantes da pasta envolvidos nessa análise. Além disso, o próprio ministro da Educação tem falado a congressistas sobre a negativa formal que recebeu da área econômica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O MEC foi procurado e não respondeu.

Segundo relatos, o MEC avisou à Economia que encaminharia nova proposta de texto que responda às críticas feitas pela equipe de Guedes. No entanto, nos bastidores, os técnicos da Economia que analisaram o projeto avaliam que os problemas apontados são incontornáveis.

Milton Ribeiro tem buscado apoio no Congresso para emplacar a proposta. Para ele, a mensagem de criação de unidades, mesmo que só no nome, seria uma pauta positiva para o governo e sua gestão em particular. O ministro falou com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), nesta semana.

As instituições que seriam desmembradas se posicionaram contrárias à iniciativa. A ideia não tem respaldo em projeto real de expansão com critérios acadêmicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No caso das universidades, a previsão, até outubro, era desmembrar campi em instituições no Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Espírito Santo e Piauí. O último estado é base eleitoral do líder do centrão e ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI).

Já nos institutos federais, novas unidades surgiriam a partir de divisões em São Paulo, Goiás e Paraná. Interlocutores apontam interesse eleitoral de políticos bolsonaristas, entre eles o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), e o major Vitor Hugo (PSL-GO).

O MEC ampliou essa lista nos últimos meses. O IFPI (Instituto Federal do Piauí) e o IFPE (Instituto Federal de Pernambuco) já haviam rejeitado a ideia em agosto, após consulta à comunidade acadêmica, mas voltaram a ser considerados nos planos do MEC.

A reitoria do IFPE recebeu um novo comunicado do MEC sobre o plano no mês passado. A nova unidade, que se chamaria Instituto Federal do Agreste, ficaria com 8 dos 16 campi do IFPE. O próprio ministério comunicou ao instituto que se tratava de demanda de congressistas, entre os quais o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O reitor do IFPE, José Carlos de Sá, disse que a divisão resultaria em desarticulação da força de pesquisa do instituto, além de não criar nenhuma vaga para alunos, nenhum novo campus e ainda aumentar os custos.

“Não houve estudo técnico, quem se debruçou para debater foi a instituição. A justificativa é puramente política, de atendimento a interesses, não existe nada que fundamente essa proposta”, disse o reitor. “Quando diz que vai criar uma instituição nova é uma informação que pode parecer positiva. Mas dividir uma instituição que já existe é outra coisa.”

Professores do IFPE criaram um movimento contrário à divisão. “Sobrepor uma decisão já tomada pela comunidade acadêmica representa, nesse sentido, uma medida autoritária e antidemocrática”, diz carta dos servidores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A criação de unidades, ainda que sem prever novas vagas, representa ganhos em redutos eleitorais. Os políticos têm interesse no aumento de investimentos federais nesses locais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Miram ainda potenciais ganhos imobiliários. É comum, por exemplo, que haja doações de terrenos para novos campi de olho na valorização do entorno, segundo relatos de ex-secretários de ensino superior do ministério.

Ribeiro cede aos interesses do centrão apesar da contradição com seu próprio discurso. O ministro já disse que a universidade deve ser para poucos e que o Brasil errou, em governos anteriores, ao investir mais em ensino superior do que na educação básica.

O plano também não dialoga com a realidade orçamentária do MEC. As instituições federais de ensino superior passam por reduções de orçamento ao menos desde 2015.

Sob o governo Bolsonaro, enfrentam cortes e congelamentos –a federal do Rio de Janeiro, por exemplo, chegou a ameaçar fechar as portas neste ano.








Você pode gostar