Política & Poder

Doria participa de vacinação quilombolas de Eldorado (SP), que foram ofendidos por Bolsonaro

“Vacinamos 300 quilombolas que vivem em extrema vulnerabilidade. São Paulo é o primeiro estado do Brasil a imunizar comunidades quilombolas”, disse o governador

Artur Rodrigues
São Paulo-SP

O governador João Doria (PSDB) participou da vacinação em uma comunidade quilombola em Eldorado (269 km de SP), no interior de São Paulo. A cidade, no Vale do Ribeira, é onde Jair Bolsonaro (sem partido) foi criado e também já foi citada pelo atual presidente em frase considera ofensiva aos quilombolas.

“Fui num quilombola em Eldorado Paulista. Olha, o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Não fazem nada. Nem para procriador ele serve mais”, disse em palestra no Rio, em 2017. “Mais de R$ 1 bilhão por ano gasto com eles”, disse na ocasião, para reforçar sua promessa de que, se eleito presidente, “não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola.”

A cidade tem 11 quilombos, mas a frase, mesmo não citando um deles em particular, gerou indignação entre as comunidades quilombolas da cidade, conforme a Folha apurou em visita à cidade em 2018.

Desde que saiu na frente de Bolsonaro na corrida da vacinação, ao participar do evento em que a enfermeira Mônica Calazans foi imunizada, Doria vem correndo o estado em cerimônias semelhantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Até o momento, apenas doses da Coronavac, do Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, foram aplicadas nos brasileiros. O governo federal recentemente conseguiu trazer 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Fiocruz.

“Muita emoção na agenda de hoje no Vale do Ribeira. Em Eldorado, iniciamos a vacinação nas comunidades Quilombolas de SP no Quilombo Ivaporunduva. Vacinamos 300 quilombolas que vivem em extrema vulnerabilidade. São Paulo é o primeiro estado do Brasil a imunizar comunidades quilombolas”, escreveu Doria em sua rede social.

A presença do governador acontece após críticas sobre o sumiço do grupo do plano de vacinação. O governador, então, afirmou que o Ministério da Saúde havia excluído o grupo da fase inicial de imunização, o que não seria seguido por São Paulo. “Acabo de determinar que em SP a população Quilombola fará parte do programa de vacinação desde já, conforme previsto no Plano Estadual de Imunização”, afirmou o governador.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bolsonaro foi criado em Eldorado, cidade onde vivem os quilombolas. Em 2018, ele chegou a ser denunciado pela então procuradora-geral, Raquel Dodge, por racismo, devido à frase sobre o grupo. No entanto, a denúncia não foi aceita pelo Supremo Tribunal Federal.

Em 2018, a Folha esteve em quilombos de Eldorado, onde quilombolas negaram que Bolsonaro estivesse ido até as comunidades. “Aqui ele nunca veio”, diz Benedito Alves da Silva, 63, o Ditão, um dos líderes de Ivaporunduva, principal comunidade da região. “Por trás dessa fala dele tem o racismo e o interesse econômico”, afirma. Consultados, representantes de outros sete quilombos disseram também não ter conhecimento da presença do político em seus territórios.

Procurada na ocasião, a assessoria de Bolsonaro não disse em qual quilombo ele esteve ou quando isso ocorreu. Ele nunca deixou claros esses detalhes.

As informações são da Folhapress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar