Política & Poder

CPMI das Fake News deve ser reativada até o carnaval, diz relatora do colegiado

A comissão deve retorna com o desafio de compreender atualizações das tecnologias utilizadas para o disparo de fake news

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News deve retomar os trabalhos em fevereiro, após quase dois anos de suspensão devido à pandemia de coronavírus. O colegiado investiga a propagação de informações falsas com fins políticos, com foco no disparo em massa de mensagens durante as eleições de 2018 e a ação coordenada de perfis que atacam a honra de pessoas e instituições democráticas. O retorno da comissão foi antecipado pelo Estadão em outubro do ano passado.

Segundo a relatora da CPMI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), a comissão retorna com o desafio de compreender atualizações das tecnologias utilizadas para o disparo de fake news. A parlamentar afirma que o colegiado deve empregar informações obtidas pela CPI da Covid e pela investigação em curso no Supremo Tribunal Federal (STF) – o inquérito das fake news, do qual o presidente Jair Bolsonaro é um dos alvos – para avançar nas investigações.

A parlamentar afirma ainda que a CPMI pode apontar caminhos para prevenir a circulação de fake news nas eleições deste ano, embora o foco de atuação deva ser mantido no pleito de 2018. “Nós poderemos usar as investigações já feitas antes de nós pelo Supremo e pela CPI da Covid, que em um momento chega a se encontrar com acusados da nossa CPMI”, explica a deputada. “Também, nesse período, surgem novos desafios do ponto de vista tecnológico para identificar práticas de fake news”.

A comissão é composta por deputados e senadores. Em seu pouco tempo de trabalho, teve como principal foco a atuação do chamado “gabinete do ódio” – grupo ligado ao vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), um dos filhos do presidente -, que alimenta a militância mais radical do bolsonarismo nas redes sociais. A existência desse grupo foi revelada pelo Estadão em novembro de 2019.

Tanto Carlos Bolsonaro como outros integrantes do “gabinete do ódio”, como os assessores da Presidência Tércio Arnaud Tomaz e Filipe Martins, tiveram o indiciamento pedido pela CPI da Covid por incitação a crime, propagação de desinformação e por estímulo ao descumprimento de regras sanitárias.

Ainda não há definição se o retorno das atividades da comissão será presencial ou virtual. Nesta segunda-feira, 17, o presidente da Câmara de Deputados, Arthur Lira (PP-AL), informou que os parlamentares da Casa trabalharão de forma remota até o carnaval. A CPMI das Fake News, contudo, acontece no espaço do Senado, que não anunciou restrições.

Estadão conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Matéria publicada em 18 de janeiro de 2022 13:35

Redação Jornal de Brasília

Notícias Recentes

Adele fala ‘fora Bolsonaro’ em show em Londres e fãs reagem

A cantora parece ter interagido com alguém da plateia que falou "fora Bolsonaro" no microfone, quando a artista repete a…

1 de julho de 2022

Itapoã Parque terá nova linha de ônibus a partir de segunda-feira (4)

A linha 784.3 ligará o Condomínio Itapoã Parque ao Terminal Rodoviário do Paranoá, de onde será possível integrar com toda…

1 de julho de 2022

Ciro Gomes (PDT) oficializará candidatura à Presidência em 23 de julho

Ciro Gomes anunciou que fará, em 23 de julho, a convenção do partido que deve oficializar a entrada dele na…

1 de julho de 2022

Governo da Bahia anuncia redução do ICMS de combustíveis

A Bahia foi um dos 11 estados, mais o Distrito Federal, a ingressar com ação no Supremo Tribunal Federal (STF)…

1 de julho de 2022

PCDF prende autores de homicídio ocorrido na 26 de setembro

De acordo com as investigações, o crime foi motivado por conta de uma rivalidade entre os envolvidos

1 de julho de 2022

J-Hope, do BTS, estreia carreira solo com ‘More’

Em seu trabalho inaugural, ele quer mostrar sua visão e personalidade como artista

1 de julho de 2022

This website uses cookies.