Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro usa caso de ‘serial killer do DF’ para dizer que ‘arma é vida’

O presidente afirmou durante a live semanal que “arma não mata, quem mata é o elemento que está atrás dela”

Foto: Alan Santos/ PR

Daniel Carvalho
Brasília, DF

O presidente Jair Bolsonaro usou nesta quinta-feira (17) o caso de Lázaro Barbosa de Sousa, 32, foragido suspeito de assassinar brutalmente uma família no Distrito Federal, para defender a flexibilização do porte e da posse de armas de fogo. Para o mandatário, “arma é vida”.

“Tem um maníaco aqui na região de Distrito Federal, Goiás, cometendo barbaridade aí. Matando gente, estuprando. […] Este elemento aqui tentou aí entrar numa residência numa chácara e foi repelido porque o cara tinha uma [arma] calibre 12 lá dentro”, afirmou o presidente.

Bolsonaro disse que, mesmo morando no Palácio da Alvorada, onde é protegido por agentes do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), mantém uma arma ao lado de sua cama.

“A bandidada está armada, pô. Você não tem paz nem dentro de casa. Se bem que caiu bastante o número de homicídios durante o nosso governo. Agora, eu não consigo dormir sem ter uma arma do meu lado”, disse o presidente da República.

Ainda sobre este tema, Bolsonaro disse que “arma é segurança, arma é vida”. Afirmou ainda que “arma não mata, quem mata é o elemento que está atrás dela”.

A pandemia de Covid-19 também foi citada na transmissão semanal do presidente. Ele disse que, enquanto for chefe do Executivo, lutaria para que “o cidadão de bem tenha arma e seja desobrigado a usar máscara”.
Contrariando as evidências científicas, o presidente tem defendido que as pessoas que já foram imunizadas ou que já contraíram o vírus deixem de usar a máscara.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Todos que contraíram o vírus estão vacinados, até de forma mais eficaz que a própria vacina”, afirmou novamente nesta quinta.

Ao fazer este discurso, Bolsonaro ignora a baixa cobertura vacinal no país –14,97% da população adulta foi vacinada com a segunda dose no Brasil– e a possibilidade de reinfecção por novas variantes do coronavírus. Além disso, especialistas dizem que as vacinas oferecem proteção mais robusta e duradoura do que a da imunidade obtida pela infecção natural.

As informações são da FolhaPress

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar