Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro reconhece que auxílio emergencial fez a ‘economia movimentar’

Se, por um lado, reconheceu a importância do pagamento do benefício, por outro Bolsonaro voltou a ressaltar que não há dinheiro em caixa

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta quarta-feira, 3, que o tombo do Produto Interno Bruto (PIB) do País em 2020 teria sido pior sem o pagamento do auxílio emergencial. Segundo ele, o benefício foi, em parte, o que “fez a economia movimentar”.

“Esse dinheiro, quando vai para o município, ele roda a economia local que interfere na arrecadação de impostos municipais, estaduais e federais, também”, comentou o presidente a jornalistas após reunião na embaixada do Kuwait com embaixadores de países do Golfo.

Se, por um lado, reconheceu a importância do pagamento do benefício a desempregados, informais, autônomos e inscritos no Bolsa Família, por outro Bolsonaro voltou a ressaltar que não há dinheiro em caixa para custear a nova rodada do auxílio discutida atualmente no âmbito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial, no Congresso. “Tudo no tocante ao auxílio emergencial é endividamento”, insistiu. “Agora, a economia tem que pegar.”

Ao comentar a queda de 4,1% no PIB no ano passado, o terceiro pior resultado da história, ele disse que mesmo esse recuo teve um lado positivo. “Se esperava que a gente ia cair 10%, né? Parece que caímos 4%. É um dos países que menos caiu no mundo todo, então tem esse lado positivo” afirmou.

O presidente também citou a terceira etapa do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), apresentado pelo senador Jorginho Mello (PL-SC). “Encampamos essa ideia e evitamos mais de 10 milhões de pessoas que perderiam seu emprego”, afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Bolsonaro, o governo federal “fez tudo possível para evitar que tivéssemos um caos no Brasil”. Para ele, as medidas tomadas pelo governo federal evitaram “problemas sociais gravíssimos”.

Estadão conteúdo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar