Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

Bolsonaro oscila entre partidos do centrão, mas avança sobre filiação ao PP

Arthur Lira também acompanhou o encontro, que foi fora da agenda das autoridades, apesar de não estar participando ativamente das negociações

Por FolhaPress 27/10/2021 9h46

Marianna Holanda e Ricardo Della Coletta
BRASÍLIA, DF

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) avançou nas conversas para sua filiação ao PP em reunião no Palácio do Planalto, na segunda-feira (25), com o ministro Ciro Nogueira e seu filho senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), também acompanhou a encontro, que foi fora da agenda das autoridades, apesar de não estar participando ativamente das negociações.

Após a reunião, interlocutores disseram à reportagem que a probabilidade de filiação ao PP é grande. Há mais de dois anos sem partido, o chefe do Executivo disse a interlocutores que gostaria de resolver o imbróglio partidário antes de embarcar nesta quinta-feira (29) para a reunião do G20 em Roma.

Segundo relatos, Bolsonaro teria feito uma enquete com seus auxiliares mais próximos, e a maioria teria dado parecer favorável à filiação ao partido de Ciro Nogueira. A prioridade do presidente é ter liberdade para escolher candidatos nos estados, em especial para o Senado.

Em entrevista à emissora Jovem Pan News nesta quarta-feira (27), o presidente confirmou que atualmente pende entre entrar no PP ou no PL. “Eu tenho que ter um partido de qualquer maneira. Eu não sei se vou disputar reeleição ou não, tá cedo ainda. Hoje em dia está mais para o PP ou PL, me dou muito bem nos dois partidos. Fiquei no PP uns 20 anos, a decisão passa por aí”, disse.

“Tenho interesse, caso dispute a reeleição, de ter uma bancada de federal, que não vai ser minha -vai ser daquele partido. Tenho interesse em indicar metade dos candidatos ao Senado, pessoas alinhadas conosco, que vão ter uma posição lá conservadora; uma posição que interesse realmente o destino do Brasil. E estou atrasado nisso. Mas a escolha de um partido é que nem um casamento. Mesmo escolhendo às vezes a gente tem problema, imagina se a gente fizer de atropele essas questões?”

Apesar de terem demonstrado otimismo com a negociação com PP, auxiliares admitem que o presidente ainda está indeciso e tem histórico de dificuldade para tomar decisões desta natureza. Até o fim de semana, o clã estava mais próximo de se filiar ao PL de Valdemar da Costa Neto. O dirigente, ex-aliado do PT preso no escândalo do mensalão, divulgou um vídeo na segunda com um convite público ao presidente, seus filhos e “fieis seguidores”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois do gesto, Flávio Bolsonaro foi ao Twitter para agradecer o convite, mas reforçar que continua conversando com o partido do ministro da Casa Civil. “Agradeço o honroso convite de Valdemar para filiação ao PL! Sigo aguardando a decisão do Presidente @jairbolsonaro sobre nosso futuro partidário, que também pode passar pelo PP. Meu desejo é estarmos juntos, numa grande frente para continuar melhorando nosso país”, escreveu o senador.

O presidente vem oscilando nas últimas semanas entre os dois partidos do centrão, PP e PL. Eles fazem parte da base do governo e têm representantes no Palácio do Planalto: Nogueira, na Casa Civil, é presidente nacional do partido; e Flávia Arruda, da Secretaria de Governo, é presidente do PL no DF.

Uma das maiores preocupações de Bolsonaro hoje seria com o palanque em São Paulo. No cenário em que se desenha de o presidente ir para o PP, a chapa poderia envolver o ex-governador tucano Geraldo Alckmin para governador, via PSD, e o ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) para o Senado.

A composição foi classificada como imbatível por defensores da ida do presidente ao partido de Arthur Lira. Nos diretórios do Nordeste, havia uma resistência inicial à filiação de Bolsonaro ao PP, que participa de governos de oposição ao Planalto nos estados. Mas, segundo dirigentes da legenda, apenas um deputado se mantém contrário à filiação do presidente hoje.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com isso, dirigentes do partido esperam chegar a 92 deputados na janela partidária em abril do ano que vem. Nas contas, há uma expectativa de filiar ainda mais de 25 congressistas da União Brasil -partido da fusão do PSL com o DEM.

Entretanto, para isso, é preciso que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprove o registro do novo partido. Há quem defenda, no entorno do presidente, que o anúncio público de qual partido se filiará só ocorra quando a União Brasil for oficializada no tribunal, para poder fazer um grande ato.

A legislação eleitoral permite que congressistas deixem sua sigla, fora da janela partidária, sem perder o mandato, quando há fusão. O maior temor de auxiliares palacianos, se for confirmada a filiação de Bolsonaro ao PP, é o afastamento do partido de Valdemar da Costa Neto do Planalto nas eleições do ano que vem. As duas legendas consideram que só será possível fazer uma bancada forte no Congresso, em especial na Câmara, se o presidente estiver filiado ao partido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar