Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Política & Poder

A desinformação ganha papel central no debate eleitoral brasileiro

Desde o início de 2022, o número de peças desinformativas relacionadas à disputa eleitoral foi aumentando, chagando a mais que quadruplicando

Eleições, fake news e segurança de dados: as preocupações do Brasil de 2022

Faltando três meses para as eleições gerais de outubro, publicações falsas ou enganosas sobre os pré-candidatos e o sistema eleitoral multiplicam-se nas redes sociais, evidenciando que, mais do que nunca, a desinformação terá um papel central no debate político.

Desde o início de 2022, o número de peças desinformativas verificadas pela AFP relacionadas à disputa eleitoral foi aumentando gradativamente: de janeiro a junho, o número mais do que quadruplicou.

“Ao longo desses últimos meses o que se viu é que os conteúdos sobre as eleições passaram a ocupar esse espaço [antes dominado pela pandemia de covid-19], ganhando preponderância”, avaliou Sérgio Lüdtke, coordenador do Comprova, projeto de verificação colaborativa composto por 42 veículos de comunicação, entre eles a AFP.

A tendência, esperada por especialistas com a aproximação da votação, ganha novos contornos em 2022, com o uso de novas redes sociais e a complexidade dos temas.

“A pandemia foi, provavelmente, um período de muito teste para esses grupos [que compartilham desinformação], que acabaram a transformando em um evento político”, sinalizou Lüdtke. A consequência, acrescentou, é que a desinformação se apresenta de maneira “muito mais complexa” do que em eleições anteriores.

Com a covid-19, a desinformação ganhou “um novo corpo que perpassa a política, a economia e a ciência”, concordou Joyce Souza, especialista em Comunicação Digital pela Universidade de São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os conteúdos eleitorais viralizados se centram principalmente na desconfiança no sistema – atacando as urnas eletrônicas e as pesquisas – e nos pré-candidatos que lideram a disputa: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente Jair Bolsonaro.

Evolução da desinformação

Nas eleições gerais de 2018, publicações falsas e enganosas já mostravam o impacto que poderiam ter, no entanto, podiam ser diretamente checadas com informações de fontes confiáveis. “O que a gente vê hoje são conteúdos que não são necessariamente falsos, por si só, mas que levam à interpretação enganosa”, apontou Lüdtke.

Foi o que aconteceu, em maio, com um tuíte que colocava em dúvida a credibilidade de uma pesquisa de intenção de voto por ter entrevistado “somente” cerca de mil pessoas. O dado era correto, mas a conclusão não: especialistas explicaram à AFP que uma amostra desse tamanho é suficiente para fazer inferências estatísticas.

Essa estratégia dificulta a verificação e faz com que, muitas vezes, conteúdos distorcidos que têm por objetivo despertar emoções sejam passados adiante com maior facilidade, explicou Souza.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Uma das estratégias do complexo cenário de desinformação é criar dúvida no usuário das redes, misturando tanto os fatos, que o leitor não sabe mais em quem confiar”, resumiu Pollyana Ferrari, pós-doutora em Comunicação e coordenadora da rede PUC Check.

Mais plataformas

Desde as presidenciais de 2018, algumas plataformas ganharam espaço entre os brasileiros, como o Telegram e os aplicativos de vídeo TikTok e Kwai, que permitem disseminar conteúdos mais visuais rapidamente e fazer alterações de maneira simples.

Foi o que aconteceu com um vídeo que parecia mostrar a torcida da seleção brasileira gritando “Lula, ladrão” em um estádio lotado. As imagens foram visualizadas mais de 100 mil vezes em apenas uma das publicações, que questionavam: “Esse é o líder das pesquisas?”. Mas o áudio havia sido substituído usando uma ferramenta nativa do TikTok.

Para Ferrari, esse tipo de uso do TikTok é um dos marcos da onda de desinformação deste ano, pois as alegações ganham uma nova roupagem, mais engraçada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Como um vírus, o fake contamina os ouvidos, distorce a visão, se instala na mente e se esconde no riso do meme, que, de tão inofensivo, acaba sendo um vetor de transmissão de desinformação”, opinou.

O risco que esses conteúdos representam é grande, como resumido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em texto divulgado em junho: “Informações falsas ou descontextualizadas afetam os juízos de valor, fazendo com que as pessoas decidam com base em percepções equivocadas da realidade”.

Lüdtke e Souza concordam sobre os riscos que as narrativas enganosas podem acarretar. Como apontou a especialista em Comunicação Digital, esses conteúdos “destroem o debate racional na sociedade, faz com que o ódio prevaleça ao debate público”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O coordenador do Comprova finalizou: “Todo esse tipo de desinformação que é mais sofisticada tem um efeito que não é transitório e provavelmente permaneça em várias partes da sociedade”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

© Agence France-Presse








Você pode gostar