Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

Zelenski é ovacionado em Davos e compara momento a estopins de guerras mundiais

Discurso de presidente da Ucrânia é transmitido durante o encontro anual do Fórum Econômico Mundial que acontece na Suíça

Por FolhaPress 23/05/2022 9h15
Presidente Zelenski faz discurso em vídeo conferência transmitida durante evento em Davos. Foto: Fabrice Coffrini/ AFP

Luciana Coelho
Davos, Suíça

O governo da Suíça anunciou nesta segunda (23), durante o encontro anual do Fórum Econômico Mundial, em Davos, que promoverá uma conferência para reconstrução da Ucrânia na cidade de Locarno, em julho.

O anúncio precedeu o discurso do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, na abertura das atividades –sinal do status que a guerra iniciada pela Rússia recebe no evento.

Zelenski discursou durante quase 30 minutos por transmissão ao vivo e respondeu perguntas do fundador do Fórum, Klaus Schwab, para uma plateia lotada de executivos, representantes de governos, acadêmicos e integrantes do terceiro setor que o ovacionou por mais de dois minutos.

O presidente da Ucrânia comparou o momento atual àqueles que, em 1914 e 1938, levaram, respectivamente, à Primeira e à Segunda Guerra Mundial. Ele exortou os participantes a pressionarem governos e empresas de seus países a redobrarem as sanções contra a Rússia como forma de evitar um agravamento do conflito, que completa três meses nesta terça (24), e desestimular outras invasões.

“Este é o ponto de virada. Não esperem até que a Rússia use suas armas especiais, suas armas químicas ou mesmo nucleares”, disse Zelenski. “Não deixem que a Rússia pense que não haverá reação. Suspendam os negócios com petróleo russo. Bloqueiem todos os bancos russos. Cortem todo o comércio com a Rússia. Temos que criar esse precedente.”

Os Estados Unidos e outros países ocidentais tomaram uma série de medidas para bloquear parcialmente os russos da economia global, com reverberações políticas e econômicas pelo planeta, sobretudo na inflação. De fora, porém, ficaram o importante mercado de hidrocarbonetos –petróleo e gás– e parte das transações bancárias. Empresas ocidentais têm abandonado o país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Zelenski ofereceu incentivos àquelas que deixarem a Rússia para se instalarem na Ucrânia. Ele também propôs que governos e empresas assumissem o patrocínio da reconstrução de cidades ou setores econômicos de seu país na conferência de julho.

Segundo o Centro de Pesquisa de Política Econômica (Cepr), a devastação da infraestrutura do país pela guerra e outros impactos econômicos podem custar a Kiev até US$ 1 trilhão (R$ 4,9 trilhões), excluídos os custos relacionados às mortes de cidadãos ucranianos. Até agora, somente em danos à infraestrutura, foram US$ 30 bilhões.

Zelenski chamou a atenção ainda para o bloqueio de portos, saque da produção de grãos e o deslocamento de ucranianos, que tiveram de fugir de suas casas, dentro e fora do país: cerca de 6 milhões de pessoas, ou 13% da população do país.

O Fórum assumiu inequivocamente o lado ucraniano, excluindo os russos, por anos financiadores importantes de programas da entidade. A tradicional Casa da Rússia, que promove negócios no país, foi substituída pela “Casa dos Crimes de Guerra da Rússia”. Além da sessão com Zelenski, parlamentares, jornalistas e políticos locais ucranianos participam de painéis ao longo dos quatro dias de evento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar