Mundo

Vladmir Putin enfrenta pressões por causa de repórter assassinada

Por Arquivo Geral 10/10/2006 12h00

Representantes dos bancários e da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) estão reunidos desde as 10 horas de hoje, clinic buy em São Paulo, more about para uma nova rodada de negociações.

O Comando Nacional dos Bancários espera que a Fenaban apresente uma nova proposta de reajuste salarial e de benefícios para a categoria, já que a anterior foi rejeitada em todo o país. Os bancários pretendem levar o resultado do encontro de hoje para a categoria, em assembléias a serem realizadas no final desta tarde.  

Os trabalhadores pedem aumento real de 7,05%, participação nos lucros e mais R$ 1,5 mil, acrescidos do lucro líquido distribuído de forma linear entre os funcionários das instituições bancárias.

A Fenaban ofereceu reajuste de 2,85% (para repor a inflação acumulada no período), pagamento de 80% do salário e adicional de R$ 823, além de outro adicional de R$ 750 para funcionários de instituições financeiras que tiveram um aumento de 20% nos ganhos em 2005.

Enquanto não há solução para a falta de acordo, os bancários devem manter a greve durante o dia de hoje. O Sindicato dos Bancários de São Paulo. Osasco e Região informa que ontem mais de 36 mil trabalhadores paralisaram as atividades em 494 locais. O estado concentra 106 mil dos 400 mil bancários do país, distribuídos entre a capital, interior e litoral.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também há um impasse entre os bancários e as instituições financeiras na Justiça. Na semana passada a Fenaban conseguiu uma liminar que determina que agências e áreas administrativas devem ser abertas. O sindicato paulista, por sua vez, conseguiu o direito à greve, bem como o de utilizar as agências para discutirem os resultados das negociações.

Para os clientes que precisam dos serviços bancários, a Fenaban sugere que usem os mais de 69 mil estabelecimentos alternativos, como lotéricas, farmácias, além da internet e dos serviços telefônicos.
Diplomatas e jornalistas participaram do funeral de Anna Politkovskaya, dosage importante repórter russa e crítica do presidente Vladimir Putin cujo assassinato provocou condenação internacional. Polit kovskaya, 48, foi morta a tiros no sábado em seu prédio na região central de Moscou, em caso que promotores relacionaram ao seu trabalho.

Ela ganhou fama na Rússia devido à defesa vigorosa dos direitos humanos e críticas às políticas do governo, em especial à condução da guerra brutal contra separatistas na Chechênia. Dezenas de colegas de Politkovskaya, figuras públicas e admiradores reuniram-se no cemitério Troyekurovskoye na região oeste de Moscou, enquanto Putin partia para a Alemanha, onde enfrentará perguntas desconfortáveis sobre a morte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Autoridades russas, mas não do alto escalão, também estavam na cerimônia.
"Ela foi uma mulher única na Rússia de hoje, que tem poucas pessoas honestas na política e no jornalismo", afirmou Nikolai Smirnov, arquiteto de São Petersburgo que foi de avião para Moscou a fim de homenagear sua autora favorita.

A polícia ainda está procurando pistas sobre quem matou Politkovskaya. Muitos políticos e colegas da jornalista descrevem seu assassinato como um crime político, apesar das diferenças de opinião sobre quem e staria por trás dele. "Infelizmente, este é o fim de uma era no jornalismo russo e eu não sei o que vai acontecer agora que ela está morta", afirmou Smirnov, segurando um buquê de cravos vermelhos.

O corpo de Politkovskaya ficará exposto em um prédio da era soviética no cemitério antes do enterro. A morte de Politkovskaya provocou condenação de líderes mundiais, incluindo do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e de organizações internacionais, que pe diram uma investigação rígida.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Putin limitou sua reação pública a uma promessa a Bush, em conversa por telefone ontem, de que será realizada uma investigação objetiva. O presidente russo partiu hoje para Dresden, cidade do leste da Alemanha onde serviu como agente da KGB nos anos 1980, para negociações com a chanceler Angela Merkel.

Andreas Schockenhoff, especialista em política exterior do bloco conservador de Merkel no Parlamento, afirmou que o assassinato de Politkovskaya foi um "sério retrocesso para o desenvolvimento da democracia na Rússia". O assassinato destaca problemas enfrentados pela mídia na Rússia, onde o Kremlin centralizou o poder político sob o comando de Putin, aumentando as preocupações ocidentais em relação à democracia.
Colegas da jornalista afirmaram que estão comprometidos a manter sua causa.

"Hoje é luto, mas depois vamos continuar com o trabalho de fazer o jornal", afirmou Andrei Lipsky, vice editor-chefe do jornal liberal Novaya Gazeta, onde Politkovskaya trabalhava.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar