Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Mundo

URGENTE: Quatro policiais mortos em ataque à sede da polícia em Paris

O agressor, abatido no hall de entrada da sede da polícia, trabalhava na Diretoria de Inteligência

Por Lindauro Gomes 03/10/2019 10h06
Police block the street after three persons have been hurt in a knife attack at Paris prefecture de police (police headquarters) on October 3, 2019. – A knife attacker was shot and injured after hurting two people at police headquarters in the historical centre of Paris on October 3, sources told AFP. (Photo by Martin BUREAU / AFP)

Quatro policiais foram mortos esfaqueados nesta quinta-feira dentro da sede da polícia de Paris, agredidos por um funcionário que depois foi abatido por agentes, informaram fontes coincidentes.

Os investigadores privilegiam a pista de um conflito pessoal, segundo essas fontes.

O agressor, abatido no hall de entrada da sede da polícia, trabalhava na Diretoria de Inteligência.

O ataque ocorreu no início da tarde dentro deste local emblemático, localizado no centro histórico da capital, perto da Catedral de Notre-Dame.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, que deveria visitar a Turquia, adiou sua visita e foi ao local. O primeiro-ministro, Edouard Philippe, juntou-se a ele. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Durante a manhã, uma mensagem de alerta foi transmitida nos altos-falantes do palácio da justiça de Paris, localizado em frente à sede da polícia. 

“Um ataque ocorreu na sede da polícia, a situação está sob controle, o setor permanece sob vigilância”, alertou a mensagem.

Esse ataque mortal ocorre no dia seguinte ao protesto de milhares de policiais em Paris, uma mobilização sem precedentes em quase 20 anos, em meio à inquietação da instituição com o aumento de suicídios e reforma previdenciária.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo organizações sindicais, 26.000 pessoas participaram dessa mobilização. Existem quase 150.000 policiais na França. 

Se as motivações do atacante de polícia seguem desconhecidas nesse estágio, a polícia continua a ser alvo recorrente de organizações jihadistas, incluindo o Estado Islâmico (EI).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar