Mundo

Nova batalha deixa 15 mortos na capital da Somália

Por Arquivo Geral 09/07/2006 12h00

Israel lançou hoje ataques aéreos contra alvos palestinos na Faixa de Gaza, ed more about e anunciou que vai continuar com a ofensiva depois de rejeitar um cessar-fogo proposto pelo primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh.

Líderes israelenses disseram que o Exército vai pressionar com ataques pelo ar e por terra até que militantes palestinos libertem o cabo Gilad Shalit, que foi seqüestrado em uma ação através da fronteira em 25 de junho, e pararem de disparar foguetes contra cidades israelenses.

"É uma guerra na qual é impossível estabelecer um calendário", disse o primeiro-ministro, Ehud Olmert, segundo a Rádio Israel, em reunião do gabinete. Ele repetiu, de acordo com a rádio, sua rejeição em negociar uma libertação de prisioneiros com militantes em troca do soldado.

O principal negociador palestino, Saeb Erekat, pediu para organizações internacionais ajudarem a evitar uma "catástrofe humana" em Gaza. Forças israelenses destruíram uma grande estação de energia da região e mataram cerca de 50 pessoas, incluindo 20 civis, disseram moradores.

Pelo menos três militantes foram feridos em um ataque aéreo no começo da manhã perto do entreposto comercial de Karni, entre Gaza e Israel, disseram médicos palestinos e a polícia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Israel também bombardeou uma ponte importante no norte de Gaza, apesar de um apelo das Nações Unidas pelo fim dos ataques contra a já danificada infra-estrutura da área.

O Exército disse que o objetivo é evitar que militantes transportem foguetes Qassam para o local de lançamento.

"Se eles devolverem o soldado para casa em segurança, pararem os qassam, então não há problema, nós saímos de Gaza", disse o ministro israelense Meir Shetreet à Rádio Israel.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os disparos de foguetes continuaram a partir da Faixa de Gaza, território do qual Israel retirou tropas e soldados há um ano.

No disparo mais recente, um foguete caiu em uma rua da cidade israelense de Sderot, ferindo uma pessoa, disse o Exército. Um segundo foguete atingiu uma casa na cidade perto da fronteira e três pessoas foram tratadas por estado de choque.

O braço armado do Hamas disse que disparou os foguetes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Antes, no sul de Gaza, Israel bombardeou um campo de treinamento militante. Ninguém ficou ferido.

Israel matou sete palestinos, incluindo uma menina de 6 anos e um policial, ontem, disseram testemunhas palestinas. Os militares disseram que o alvo eram militantes.
"Não importa o que aconteça, com qualquer mediação, o soldado deles não deve ser libertado. Seu sangue não vale mais do que o nosso", disse uma palestina no enterro da garota e dos pais. Testemunhas dizem que eles foram mortos por um míssil de Israel que atingiu a casa da família.

O major-general Yoav Galant, chefe do comando Sul do Exército de Israel, disse que não vê motivos para parar com a ofensiva enquanto os militantes mantiverem Shalit como refém.

"Vamos começar em breve operações em outros lugares", disse ele à mídia de Israel. Ele afirmou que as tropas podem continuar atuando em Gaza "por um mês, dois meses e mais, se for necessário".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ofensiva foi criticada pela União Européia e pela ONU, mas as organizações têm menos influência sobre Israel do que seu principal aliado, os EUA.

O Hamas e outros grupos militantes exigem que Israel dê o primeiro passo, libertando centenas de prisioneiros em troca do soldado.

Shetreet disse no entanto que isso seria suicídio político para o governo de Olmert. "Seria o mesmo que aumentar cem vezes a força política do Hamas", disse o ministro à rádio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

Uma milícia islâmica atacou combatentes leais a senhores de guerra em Mogadício hoje, drugs em batalha pesada que matou pelo menos 15 pessoas e deixou dezenas de feridos, cure incluindo refugiados, adiposity disseram testemunhas.

O número de mortos deverá subir ainda mais na escalada mais séria desde que os islamistas assumiram o controle da capital da Somália, no lugar dos senhores de guerra, que tinham apoio dos Estados Unidos, em 5 de junho.

Os moradores da cidade tiveram que correr para encontrar cobertura enquanto as milícias rivais enfrentavam-se nas ruas com metralhadoras e morteiros, perto do volátil distrito do Quilômetro 4, que se tornou um bolsão de resistência contra os islâmicos.

"Estou lutando pelo Islã e não tenho medo de morrer", disse o combatente Ahmed Hashi, que foi ferido na cabeça, enquanto eram ouvidos tiros e mísseis.

Determinados a completar a tomada do controle da capital costeira, os muçulmanos fizeram uma emboscada contra combatentes leais a Hussein Aideed, ministro do Interior do governo interino, e de Abdi Awale Qaybdiid, outro líder de combatentes.

"Isso é parte da guerra contra o terror", disse o clérigo radical Hassan Dahir Aweys, a partir de sua base na região central da Somália.

"Ele (Qaybdiid) é um remanescente dos senhores de guerra. Não temos opção, a não ser terminar com esta guerra que falta."

Aideed e Qaybdiid confirmaram que sofreram a emboscada de combatentes islâmicos.
"Eles tomaram uma das nossas bases em Hosh, no oeste, que esteve em nossas mãos nos últimos 15 dias", disse Aideed, na cidade de Baidoa, onde fica o governo.

Qaybdiid também foi localizado por telefone em Mogadício, com som de tiros ao redor, e disse: "A luta contina desde de manhã. Vamos continuar nos defendendo."

Os milicanos islâmicos capturaram a capital em 5 de junho e partiram para conquistar outras cidades no sul da Somália. Isso desafiou o governo interino apoiado pelo Ocidente, que foi formado no Quênia em 2004 e tem base em Baidoa, porque é muito fraco para mudar-se para Mogadício.

Diplomatas temem o confronto e uma intervenção militar da Etiópia, que é contra os islâmicos. As negociações entre o governo e os muçulmanos para evitar isso estão marcadas para o dia 15 de julho, no Sudão.

A maioria dos comandantes que governavam Mogadício desde a queda do ditador militar Mohamed Siad Barre, em 1991, fugiu ou rendeu-se depois da derrota de 5 de junho. Mas restam bolsões de milícias leais a Qaybdiid e outros.

A batalha de domingo acabou com uma calma relativa na Somália, que não tem um governo central há 15 anos.

 






Você pode gostar