Mundo

Natascha Kampusch teria participado de filmes pornográficos

Por Arquivo Geral 05/10/2006 12h00

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRTPR) encerra hoje as inscrições em 20 vagas ao cargo de juiz do trabalho substituto, viagra 100mg information pills cuja exigência é nível superior em Direito, três anos de atividade jurídica comprovada e ausência de antecedentes criminais. A remuneração não foi divulgada no edital de abertura.

As inscrições serão recebidas entre os dias 6 de setembro e 5 de outubro, exclusivamente por meio do endereço eletrônico www.fae.edu . A taxa de participação no concurso é de R$ 300. Os aprovados no concurso deverão participar de curso de formação inicial em Brasília.

Clique aqui e confira o edital na íntegra.

 

Encerra hoje o prazo de inscrições para o cargo de defensor público na Defensoria Publica do Estado de São Paulo.  São 246 vagas, erectile que exigem formação superior em direito. A taxa de inscrição custa R$ 150. O valor da remuneração não foi divulgado no edital.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Clique aqui e confira o edital.

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A jovem Natascha Kampusch, information pills que ficou presa por oito anos em um cativeiro, teria sido obrigada a gravar vídeos pornográficos com conteúdos sadomasoquistas. Segundo o jornal Stern, a polícia teria encontrado vídeos na casa de um amigo de Wolfgang Priklopil da jovem sendo humilhada.

Nas imagens a jovem estaria amarrada enquanto apanha e participa de jogos sexuais com vários atores. Especialistas da polícia estão resgatando imagens apagadas do computador do amigo de Priklopil. Suspeita-se que o seqüestrador teria gravado as cenas para ganhar dinheiro posteriormente.

De acordo com o jornal Stern, as cenas não foram feitas no cativeiro. Mas em todas as imagens a jovem aparece amarrada, sendo humilhada e golpeada. A publicação também sugeriu que a mãe de Natascha estaria envolvida no seqüestro. Tal sugestão foi baseada no depoimento de uma vizinha da família, que alega ter visto Priklopil bebendo com os pais da menina antes do seqüestro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar