Mundo

Ex-ditador argentino diz que roubo de bebês é fabricação

Por Arquivo Geral 04/10/2006 12h00

O presidente Vladimir Putin advertiu a Geórgia hoje que não faça provocações nem chantageie a Rússia, side effects site ao mesmo tempo em que ignorou os apelos internacionais para suspender as s anções contra o país vizinho.

"Não vou permitir que ninguém fale com a Rússia em termos provocadores e de chantagem", medicine  afirmou Putin a parlamentares sobre a crise diplomática com a Geórgia, pills que prendeu quatro oficiais russos e os acusou de espionagem.

Na Geórgia, o presidente do banco central afirmou que o país vai bloquear a candidatura da Rússia a entrar na Organização Mundial do Comércio (OMC) se as sanções econômicas não forem suspensas. A Rússia pretende concluir este mês as negociações para entrar na OMC.

A prisão dos oficiais russos, na semana passada, deflagrou uma série de medidas retaliatórias por parte da Rússia, como a interrupção de todas as ligações com a Geórgia, por terra, mar e ar, e da emissão de vistos para que georgianos possam ir à Rússia.
Há tempos que Moscou está insatisfeita com o presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, devido a suas políticas pró-Ocidente e ao afastamento em relação aos russos.

"A atitude das autoridades georgianas nos últimos meses e anos é claramente anti-Rússia", afirmou o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, durante uma viagem a Estrasburgo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O ministro da Defesa russo, Sergei Ivanov, rejeitou o apelo da Geórgia para que Moscou suspenda os exercícios navais no mar Negro. "Ninguém deve achar que vamos reagir a cada vez que o regime de Saakashvili der um espirro e mudar todos os nossos planos".
A polícia russa fez revistas em estabelecimentos georgianos de Moscou ontem, fechando por exemplo um cassino de proprietários georgianos. O Ministério do Interior afirmou que as revistas foram ações de rotina … para combater grupos étnicos de crime organizado.

Até a visita à Rússia do balé nacional da Geórgia foi cancelada. A Geórgia, por sua vez, manteve a pressão. "A Geórgia nunca vai apoiar a entrada da Rússia na OMC enquanto as sanções permanecerem", afirmou o presidente do banco central, Roman Gotsiridze.
Como membro da OMC, a Geórgia tecnicamente tem poder para bloquear novas admissões. A Rússia é a única grande economia que ainda não faz parte da organização.

Em Tbilisi, os georgianos estavam cada vez mais preocupados com o impacto das sanções. "A Rússia vai deportar georgianos?", perguntava a manchete da revista New Version. Os russos que estavam na Geórgia ficaram isolados com a interrupção dos vôos entre os dois países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Moscou ainda tem algumas cartas na manga contra a Geórgia. Os russos ainda estão fornecendo gás natural para o país vizinho, e por enquanto prometem cumprir a promessa de retirar até o fim de 2008 as tropas que mantêm na Geórgia.

O presidente-candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou hoje que a oposição o ataca no terreno da corrupção e da ética para evitar comparações econômicas, cialis 40mg sociais e administrativas entre seu governo e o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

"Nós queremos discutir profundamente ética, discutir corrupção. Acho que o povo brasileiro merecia uma discussão melhor, mas se quiserem enveredar por aí, nós vamos discutir e colocar na mesa as coisas que têm que ser ditas", disse Lula durante a parte aberta à imprensa do encontro que teve com governadores eleitos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Numa campanha em que as pessoas não têm argumento para debater sobre política econômica, política social e desenvolvimento (…) porque os números comparativos são mortais com relação aos oito anos deles, vão buscar outra coisa qualquer para fazer a disputa política", acrescentou.

O presidente fez uma avalia ção positiva sobre o resultado das urnas. "Acho que o quadro eleitoral foi bom para os partidos da base", realçando novamente as vitórias do PT contra os governos do PFL em Sergipe e na Bahia. "Nossos adversários saíram com menos força do que tinham antes, ficaram com os Estados que já tinham. Vamos às ruas, preparem-se", prometeu Lula.

O prefeito do Rio, information pills César Maia (PFL), anunciou hoje que deixará de participar ativamente da campanha do candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, devido o apoio recebido pelo tucano do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PMDB).

Maia disse que seu partido irá se concentrar, no Rio de Janeiro, apenas na campanha da deputada Denise Frossard (PPS), candidata ao governo estadual que disputa o segundo turno com o senador Sérgio Cabral (PMDB). Este, por sua vez, já declarou apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa pela Presidência.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"A campanha do governador Alckmin no Rio de Janeiro ficará centralizada, concentrada no PSDB, que vai se dedicar a essa campanha e recomendar o voto contra o senador Sérgio Cabral, e o PFL vai concentrar sua campanha na deputada Denise Frossard e vai recomendar o voto no governador Alckmin", disse Maia. "O Alckmin passeia com o Garotinho e nós andamos com a Denise Frossard. Nós queremos essas águas bem separadas", acrescentou.

Maia e Garotinho são rivais, disputando o comando político do Estado. Ontem Garotinho e sua mulher, a governadora Rosinha Matheus (PMDB), anunciaram apoio ao candidato do PSDB.

O último presidente da mais sangrenta ditadura argentina declarou hoje que o roubo dos bebês de dissidentes políticos, website like this crime pelo qual foram processados os principais líderes do regime, não passa de uma "fabricação".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Reynaldo Bignone, que governou em 1982 e 1983, afirmou ainda que apóia os grupos que querem resgatar a "memória completa" do período e que se lembram também das vítimas das guerrilhas que atuaram nos anos 1970.

"Não estou condenando nenhuma causa, fui processado há muitos anos por uma fabricação que se chama roubo de bebês e me processam por ter editado, como presidente, a lei de pacificação. Dizem que essa lei fazia parte do plano para roubar bebês", disse Bignone à Rádio 10.

"Por isso fiquei sete anos detido em minha casa. Mas já não estou mais. Se Deus quiser, no sábado completo um ano de liberdade", acrescentou.

As declarações devem acirrar ainda mais os ânimos no país sobre o passado militar. As últimas semanas registraram na Argentina a condenação de dois ex-repressores, em casos reabertos graças à anulação, em 2005, pela Corte Suprema, das leis de anistia, medida incentivada pelo presidente Néstor Kirchner.

Segundo denúncias de vários organismos, durante a ditadura cerca de 30 mil pessoas desapareceram nas mãos dos órgãos de repressão do governo militar (1976-1983).

Os sobreviventes contaram nos tribunais sobre os métodos de tortura que o regime utilizava e como os repressores roubavam os filhos das mulheres que davam à luz na prisão.

Muitos desses bebês foram entregues a familiares e a funcionários do governo e criados com uma identidade falsa.

O grupo Avós da Praça de Maio já conseguiu encontrar cerca de 90 filhos de desaparecidos, que nasceram durante o período em que as mães estavam presas ou que eram pequenos quando elas foram capturadas pelo regime.

Mas o clima político no país ficou ainda pior com o desaparecimento, há duas semanas, de uma testemunha-chave de um dos julgamentos de ex-repressores. Ao mesmo tempo, um grupo de organizações convocou para amanhã um ato para lembrar a luta contra a guerrilha esquerdista, que atuou na década de 1970.






Você pode gostar