Mundo

Djokovic vira sócio majoritário de empresa que quer fazer remédio contra covid-19

Foi revelado que o tenista e sua esposa, Jelena Djokovic, detêm juntos 80% da QuantBioRes

Novak Djokovic voltou ao noticiário nesta quarta-feira. Desta vez sem qualquer relação com tênis ou vacinas, mas ainda no tema da pandemia. O tenista sérvio foi apontado como cofundador e sócio majoritário da QuantBioRes, empresa dinamarquesa de biotecnologia que pretende criar um remédio para tratar a covid-19.

A empresa foi criada em junho de 2020, ainda na parte inicial da pandemia. Mas a informação sobre a participação do número 1 do mundo só veio à tona nesta quarta em entrevistas do diretor da companhia, Ivan Loncarevic, às agências internacionais.

Ele revelou que o tenista e sua esposa, Jelena Djokovic, detêm juntos 80% da QuantBioRes. Loncarevic não revelou o valor investido pela família na empresa. De acordo com a revista Forbes, o tenista ganhou US$ 34,5 milhões (cerca de R$ 190 milhões) ao longo da temporada passada, entre premiações e patrocínios.

A empresa criada na Dinamarca tem cerca de 12 pesquisadores, que atuam também em outros países, como Reino Unido, Eslovênia e Austrália. De acordo com Loncarevic, o objetivo da companhia é desenvolver medicamentos contra vírus e bactérias resistentes. E a covid-19 se tornou o principal alvo da equipe, que não trabalhará com vacinas.

Os primeiros remédios específicos contra a covid-19 no mundo estão perto de serem lançados, nos próximos meses. O mais conhecido é o Paxlovid, da Pfizer. Mas os custos serão bem mais elevados do que as vacinas. O tratamento com este medicamento pode chegar a US$ 530. No caso dos imunizantes, as doses custam cerca de US$ 10.

Djokovic protagonizou uma das maiores polêmicas da história do tênis nos últimos dias ao ser deportado da Austrália e ser retirado da chave do primeiro Grand Slam do ano porque não tomou a vacina contra a covid-19. A polêmica durou 11 dias, entre sua chegada e a saída do país, no domingo, após dois cancelamentos do seu visto e dois julgamentos na Justiça local.

O sérvio tentou entrar na Austrália sem apresentar o comprovante de vacinação, após obter uma “permissão médica especial” junto ao governo estadual e a Tennis Australia, a federação australiana de tênis. A questão mobilizou o governo federal e até gerou uma crise diplomática entre a Austrália e a Sérvia. Agora Djokovic corre o risco de não poder entrar no país da Oceania pelos próximos três anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo

Matéria publicada em 19 de janeiro de 2022 18:42

Redação Jornal de Brasília

Notícias Recentes

Movimentos contra Bolsonaro decidem não disputar 7 de setembro com ele

Em 2021, eles se juntaram ao tradicional Grito dos Excluídos e fizeram manifestações contra o presidente na data

10 de agosto de 2022

Ministro do TSE manda YouTube apagar discurso em que Lula chama Bolsonaro de genocida

O magistrado considerou que o discurso pode ter configurado "propaganda eleitoral extemporânea negativa"

10 de agosto de 2022

DF é condenado a indenizar aluno que sofreu reação alérgica após ingerir alimento

A decisão é do juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública do DF que concluiu que não foram observados os…

10 de agosto de 2022

TJDFT suspende expediente nesta quinta (11)

Na data em questão é comemorado no Brasil o Dia do Magistrado, Dia do Advogado e Dia da Criação dos…

10 de agosto de 2022

Juiz autoriza prisão de agente penal que matou petista a tiros em Foz do Iguaçu

Guaranho recebeu alta nesta quarta-feira, 8, mas ainda não havia sido transferido para o presídio

10 de agosto de 2022

Servidores da Abin criticam veto de Bolsonaro ao reajuste para policiais na LDO

De acordo com a sugestão de veto do Ministério da Economia, a proposta original da do governo para a LDO…

10 de agosto de 2022

This website uses cookies.