Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Blogs e Colunas

Festival Brasília Sobre Rodas

No último final de semana tivemos, no Parque da Cidade, o “Festival Brasília Sobre Rodas”, uma iniciativa que buscou reunir diversas tribos de amantes de carro para o grande público.

Por Aurélio Araújo 28/05/2022 10h59
O Ford Rancheiro foi um dos destaques do evento. Foto: Aurélio Araújo.

O Sol abriu, o frio já era menor e nem a poeira, comum nessa época, atrapalhou o sucesso do evento. Sucesso, porque vi centenas de famílias passeando entre os carros. Nossa cidade já tem um evento fantástico que é o Motocapital (que acompanho desde 2008), mas nada parecido com carros. E o Brasília sobre Rodas tem tudo para se tornar esse espaço. 

Meu pai, Vicente Araújo, e eu curtindo o Festival. Foto Arquivo Pessoal (Aurélio Araújo).

Cheguei cedo para levar meu carro. Fiquei próximo à turma do Mopar Clube de Brasília (a quem aqui mando meu abraço!). Chamei os amigos, meu pai e, o melhor, foi todo mundo! Cadeiras na grama, crianças brincando, isopor ao lado. Foi um dia divertido de celebração, construção de memórias e de curtir carros de todos os tipos. Clássicos e modernos, caminhões, veículos 4×4, tinha espaço para todos.

Carros expostos no Brasília sobre Rodas. Fotos: Aurélio Araújo.

Acompanhei o nascimento do projeto e acredito que ver a ideia do João Coqueiro sair do papel foi muito uma grande satisfação. O João nasceu em Brasília e o projeto vem do legado de seu pai. Ele ligou para os amigos, pediu ajuda e todo mundo atendeu o chamado. 

Mopar Clube de Brasília marcando presença no evento. Foto: Divulgação.

“A intenção do Brasília Sobre Rodas é fortalecer o antigomobilismo e fazer com que Brasília entre no calendário nacional com um grande evento. Essa foi a quarta edição, que cresce a cada dia, como espaço para todos os amantes sobre rodas. A ideia é congregar os clubes, um ao lado do outro”.

João Coqueiro, idealizador do evento. 
Criançada curtindo o evento. Foto: Eldon Clayon.

O mais desafiador foi reunir clubes e grupos de veículos tão distintos. Mas para celebrar o antigomobilismo precisamos derrubar as vaidades. Não importa o valor, o ano ou a potência. O que importa é que por trás de cada veículo, está um apaixonado (a) que deseja compartilhar essa paixão com cada um que passava por ali. Para mim em especial, o mais legal foi compartilhar com as crianças essa experiência. E cada uma delas tinha seu carro favorito no evento.

Obrigado João, continue firme na missão e conte sempre com a Conta Giros!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar