Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Economia

Novo Auxílio Brasil prevê taxa de administração que pode chegar a R$ 1,3 bi

O aumento dos programas sociais é uma das principais apostas de Bolsonaro para subir nas pesquisas, em que atualmente está em desvantagem

Por FolhaPress 30/06/2022 12h21
Foto: Agência Brasil

Fábio Zanini
São Paulo, SP

A proposta de emenda constitucional do governo Jair Bolsonaro (PL) que amplia uma série de benefícios prevê uma taxa de até 5% de operacionalização do novo Auxílio Brasil. Isso significaria uma verba que pode chegar a R$ 1,3 bilhão, uma vez que o montante do programa é calculado em R$ 26 bilhões.

A bancada do PT no Senado, que identificou este ponto, vai questionar em plenário a necessidade da taxa, por entender que o custo de administração da versão ampliada do auxílio é praticamente zero.

O programa passará a pagar mais R$ 200 às famílias beneficiadas, levando o montante a R$ 600. É um público que já está cadastrado pela Caixa Econômica Federal, instituição que gerencia o auxílio. Assim, não há necessidade de novos custos operacionais.

Da mesma forma, as famílias que estão na fila, e agora serão contempladas, também já fazem parte de um cadastro do governo.

A desconfiança do PT é de que a taxa de operacionalização, a ser revertida para a Caixa, será utilizada para dois propósitos: fazer propaganda do benefício, e custear a troca de cartões, que ainda hoje trazem a marca do Bolsa Família, criado no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

O aumento dos programas sociais é uma das principais apostas de Bolsonaro para subir nas pesquisas, em que atualmente está em desvantagem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar