Economia

Indústria aposta em segundo semestre melhor para negócios

Por Arquivo Geral 12/07/2006 12h00

Um homem-bomba entrou hoje em um restaurante no leste de Bagdá e detonou explosivos, search visit web matando sete pessoas e ferindo outras 20, segundo a polícia.

A explosão ocorreu quando o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, em uma visita não anunciada ao Iraque, mantinha uma reunião com líderes iraquianos e comandantes norte-americanos na fortificada Zona Verde, na capital.

Rumsfeld foi ao Iraque a fim de discutir o aumento da violência sectária, que provoca temores sobra a possibilidade de uma guerra civil.

Dezenas de pessoas foram mortas em ataques semelhantes ao de hoje desde a última sexta-feira no país.

Sobreviventes dos ataques a bomba em Mumbai lutam pela vida em hospitais lotados. Enquanto isso, page outros milhões de indianos lotam trens e ônibus para ir ao trabalho no centro financeiro do país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pelo menos 183 pessoas morreram nos sete atentados a bomba quase simultâneos no sistema ferroviário de Mumbai ontem. Hoje investigadores procuram no meio dos vagões pistas sobre os responsáveis pelas explosões coordenadas. A suspeita recai sobre militantes com base no Paquistão que combatem o domínio indiano na Caxemira.

Os ataques de ontem, viagra 60mg em vagões de primeira classe e em estações, parecem ter sido direcionados ao centro do sucesso econômico da Índia. No entanto, horas depois, os moradores da cidade já haviam voltado ao trabalho e o mercado de ações mantinha-se estável. Quase 700 pessoas ficaram feridas nas explosões, ocorridas em um espaço de 11 minutos.

"A meu ver, os ataques em Mumbai podem ter sido inspirados pelos ataques em Londres e Madri", acredita Peter Lehr, no Centro de Estudos do Terrorismo e da Violência Política na Universidade St. Andrews, da Grã-Bretanha, ao jornal Times of India. "É uma tentativa para instilar o medo e o terror nas mentes das pessoas e provocar uma nova onda de violência entre hindus e muçulmanos. Mas nisso eles falharam miseravelmente".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foram enviados mais policiais a estações de trens, parques, mercados e instituições religiosas em toda a Índia para evitar novos ataques. Também foram armados postos de controles nas ruas principais das maiores cidades.

As explosões ocorreram horas depois de uma série de atentados com granadas contra turistas em Srinagar, capital da Caxemira indiana. Na ação, oito pessoas morreram.

A polícia da Caxemira culpou o grupo militante Lashkar-e-Taiba. A milícia, segundo autoridades, tem apoio do Paquistão e também foi responsável pelas explosões em mercados lotados de Nova Délhi, que em outubro. Nesse outro ataque, 60 pessoas foram mortas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo fontes de segurança não identificadas citadas por jornais, O Lashkar é o principal suspeito das explosões em Mumbai.

O Paquistão, que nega as acusações indianas de apoio tácito aos militantes, condenou a ação em Mumbai e a chamou de "ataque terrorista".

O presidente do Irã, pills Mahmoud Ahmadinejad, pill disse hoje que o país está pronto para conversar, em uma "atmosfera propícia", com todos os interessados sobre seu programa nuclear. Porém, ele reafirmou que não vai desistir do que considera ser direito dos iranianos.

"Se a atmosfera for propícia, estaremos preparados para negociar com todos", declarou ele, segundo a agência de notícias estudantil do Irã ISNA. "Nossa nação não recuará nem um centímetro de seus direitos em assuntos mundiais", acrescentou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Autoridades iranianas geralmente se referem ao enriquecimento de urânio como um dos direitos do país.

O estado de São Paulo voltou a registrar ataques entre o final da noite de ontem e a madrugada de hoje. Os atentados foram a agências bancárias, information pills bases policiais, supermercados, concessionárias e a agentes ligados à segurança. Até agora, quatro pessoas foram mortas e um policial militar ficou ferido na troca de tiros com bandidos.

Duas das mortes ocorreram por volta das 0h, na cidade de São Paulo. O PM Odair Lorenzi, 29 anos, e a irmã dele, Rita de Cássia Lorenzi, 38 anos, foram fuzilados por desconhecidos ao atender a porta de casa. Durante a perseguição aos bandidos envolvidos nesse crime, um policial ficou ferido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As outras duas mortes foram no litoral do estado. Dois seguranças particulares foram assassinados em diferentes lugares. Há, ainda, registros de que doze ônibus foram queimados desde o final da noite de ontem na capital e na baixada Santista.

Os ataques parecem ser uma reação criminosa à prisão de Emivaldo Silva Santos, apontado como líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) no ABC paulista. Ele foi detido na noite de ontem, na rodovia Imigrantes.

Leia também:
Lembo recusa nova ajuda de tropas oferecida por Lula
Polícia registra 48 ataques e cinco mortes em São Paulo
Três agências bancárias são atacadas em São Paulo 
Lula diz que São Paulo está aterrorizado com crime organizado
Nova série de ataques deixa cinco mortos e ônibus incendiados em São Paulo
São Paulo tem novos ataques e quatro pessoas morrem

 

 

Um grupo de alunos da Universidade de Brasília (UnB) protocolou, online na reitoria da instituição, link uma denúncia de racismo contra o professor do Instituto de Ciência Política Paulo Kramer. Segundo os estudantes, cost ele teria pronunciado a expressão “crioulada” durante uma aula de Teoria e Política Moderna do programa de pós-graduação em ciência política.

A palavra teria sido usada quando Kramer explicava as políticas assistencialistas implantadas para os negros nos Estados Unidos durante a década de 1960. A expressão provocou discussão entre o professor e alguns alunos que, mais tarde, decidiram relatar o caso em uma carta ao reitor Timothy Mulholland.

Kramer se defendeu dizendo que fez o uso da palavra para chamar a turma à reflexão. O documento entregue na reitoria foi enviado ao departamento jurídico da UnB, que resolverá a questão. O professor pode sofrer desde uma advertência verbal à expulsão do cargo.

A indústria brasileira aposta que a tendência de reaquecimento da atividade iniciada na virada do ano deve persistir. Isso pemitirá uma melhora nos negócios ao longo do segundo semestre do ano, visit web revela sondagem da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgada hoje.

"As avaliações dos empresários industriais em relação à situação presente revelam um quadro mais favorável em julho deste ano que o registrado no mesmo período de 2005", sales afirma a FGV em relatório.

Para 12% dos entrevistados, a demanda por produtos industriais está forte, enquanto 24% consideram esta demanda fraca. Em julho de 2005, oito% dos entrevistados disseram que a demanda estava forte, enquanto 29% a classificaram como fraca. 

A situação atual dos negócios é apontada como boa por 16% dos entrevistados, ante 27% que a consideram fraca. Ainda assim, as perspectivas futuras são mais positivas.

"As previsões para os próximos meses são mais otimistas do que as formuladas em julho de 2005 em quase todos os quesitos", destacou a FGV.

Das 513 empresas consultadas pela Fundação, 43% disseram esperar um aumento na demanda por produtos industriais no terceiro trimestre do ano. Nesse mesmo período, o número de postos de trabalho no setor deve ser elevado, segundo avaliaram 25% dos empresários consultados.

A expectativa em relação aos próximos seis meses também vai na mesma linha. Para 54% dos entrevistados, a situação dos negócios deve melhorar ao longo do segundo semestre do ano. Apenas 11% esperam uma piora.

A coleta de dados foi feita entre os dias 29 de junho e 10 de julho.






Você pode gostar