Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

‘Vai morrer abraçada a Jairinho?’, perguntou advogado a Monique, que mudou discurso

Monique “soltou a mão” do namorado e tem tentado tomar uma postura diferente no Caso Henry

Membro da defesa de Monique Medeiros, o advogado Hugo Morais conta que teve que mudar a postura da mãe de Henry perante às investigações. Para isso, Hugo fez uma pergunta dura: “Você vai querer morrer abraçada a Jairinho?”. A resposta não se sabe, mas subentende-se que Monique soltou a mão do namorado, o vereador Dr. Jairinho.

Essa quebra entre Jairo e Monique é notada por conta da postura da professora nos bastidores. De acordo com a coluna de Juliana dal Piva, do portal UOL, a mãe de Henry tem mudado sua versão do crime, chegando até a admitir que mentiu no primeiro depoimento. Entenda:

Inicialmente, Monique disse que foi ela quem encontrou Henry caído no chão do quarto no dia 8 de março, data da morte do garoto. Porém, depois de presa, a professora tem mudado a versão da história e dito que Jairinho estava ao lado de Henry quando ela chegou no cômodo. A mulher diz ainda que foi obrigada a criar uma versão que fosse favorável ao vereador.

A nova versão ainda não foi dita oficialmente à Justiça. A defesa tenta um novo depoimento de Monique para contar a nova visão.

Hoje, Monique e Jairinho têm advogados diferentes. Ao serem intimados, em 12 de março, a depor como testemunhas do caso, eles haviam nomeado o advogado André França Barreto para representá-los. Já na delegacia, no início da tarde do dia 18, Monique, no entanto, já demonstrara interesse em manter estratégias independentes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inquérito finalizado em breve

O delegado Henrique Damasceno, titular da 16.ª DP (Barra da Tijuca), é quem cuida do caso. Damasceno deverá finalizar nesta sexta-feira (23) o inquérito que apura a morte de Henry Borel Medeiros. No documento, serão indiciados Monique e Jairinho pelo crime de homicídio duplamente qualificado, por emprego de tortura e sem possibilidade de defesa da vítima.

A conversão da prisão temporária do casal em preventiva também será encaminhada ao promotor Marcos Kac, do Ministério Público do Rio, que deverá oferecer a denúncia a juíza Elizabeth Louro Machado, titular do II Tribunal do Júri, nos próximos dias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar