Brasil

Número de pacientes transferidos de Manaus a outros estados chega a 296

Transferências fazem parte do Plano de Cooperação Interestadual, coordenado pelo Ministério da Saúde em parceria com o governo estadual

João Paulo de Brito
[email protected]

A parceria firmada entre os governos Federal e do Amazonas para a realização do transporte de 151 pacientes com Covid-19 para leitos de UTI de outros estados e disponibilizados pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), além de 145 pacientes para leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) de outras regiões superou a meta inicial prevista.

Atualmente, 296 pacientes foram transportados das cidades de Manaus, Tabatinga e Parintins para 12 estados brasileiros, além do Distrito Federal.

A estratégia é parte do trabalho do Comitê de Enfrentamento da Covid-19, coordenado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o governo do Amazonas; Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), que apoia a ação viabilizando leitos nos Hospitais Universitários Federais; Ministério da Defesa, que presta apoio com aeronaves; além dos gestores dos estados que têm acolhido esses pacientes.

Em reunião do Comitê de Crise – Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) na última segunda-feira (25/1), em Manaus, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ressaltou que a remoção dos pacientes para outros estados é uma ação importante, neste momento, para desafogar os hospitais do Amazonas, que estão atuando com capacidade máxima.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já receberam pacientes de Manaus Teresina (PI), São Luís (MA), João Pessoa (PB), Natal (RN), Goiânia (GO), Curitiba (PR), Belém (PA), Maceió (AL), Vitória (ES), Recife (PE), Uberaba (MG), e Brasília (DF).

Os pacientes transferidos são selecionados atendendo à classificação de risco do protocolo de Manchester, adotado pelos médicos que atuam na Central Unificada de Regulação de Agendamento de Consultas e Exames (Cura) do Governo do Amazonas.

Desde o início das transferências, mais de 53 pacientes já receberam alta hospitalar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações do Ministério da Saúde






Você pode gostar