Brasil

Investigado por desvios na Saúde do RJ volta a dar aulas em universidade

Edmar Santos ficou menos de um mês preso, mas fechou acordo de delação premiada antes de ser solto. As declarações do ex-secretário encurralaram Witzel

O ex-secretário Estadual de Saúde, Edmar Santos, voltou a dar aulas de anestesiologia na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). Edmar responde na justiça por desvio de dinheiro público durante a pandemia.

O professor estava afastado da Uerj, mas a licença terminou em fevereiro, e ele está liberado para voltar a lecionar. A Uerj informou que abriu uma sindicância e um Processo Administrativo Disciplinar para apurar as denúncias contra o ex-secretário, mas, por ser funcionário público, ele não pode ser afastado das funções até que a sindicância seja concluída.

A Uerj afirmou ainda que as irregularidades praticadas por Edmar Santos foram referentes ao recebimento de propina junto a empresas fornecedoras, que recebiam pagamento direto do governo do estado e não do hospital.

Atualmente, Edmar recebe dois salários: R$ 17 mil como tenente coronel da Polícia Militar e R$ 10 mil como professor médico.

Prisão e delação

Suspeito por participar de um suposto esquema de desvio de dinheiro público no Governo do Estado durante a pandemia da Covid-19, Edmar foi preso em julho de 2020. Pouco menos de um mês depois, foi solto. Antes, fechou um acordo de delação premiada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na delação, o ex-secretário envolveu o então governador Wilson Witzel em casos de corrupção na Saúde. Essas informações deram origem às operações Placebo e Favorito, que tiraram Witzel do cargo.






Você pode gostar