Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Ferido morre em hospital, e sobe para 26 o número de mortos em operação na Vila Cruzeiro (RJ)

De acordo com a PM, a ação de terça-feira visava prender em flagrante mais de 50 traficantes que sairiam em comboio à favela da Rocinha

Por FolhaPress 26/05/2022 10h11
Mauro Pimentel/ AFP

Matheus Rocha
Rio de Janeiro, RJ

Chega a 26 o número de pessoas mortas em uma operação conjunta da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal na Vila Cruzeiro, zona norte do Rio. Na madrugada desta quinta-feira (26), um paciente morreu no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, zona norte do Rio. Com isso, subiu para 24 o número de pessoas que perderam a vida apenas na unidade.

Além delas, duas pessoas morreram em outras localidades. Gabrielle Ferreira da Cunha, 41, foi baleada em casa na Chatuba, comunidade vizinha à Vila Cruzeiro, e não foi levada ao Getúlio Vargas. A cabeleireira foi enterrada nesta quarta-feira (25) no Cemitério São Francisco Xavier, no Rio.

A outra vítima é um menor de idade que chegou já morto na terça (24) na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Complexo do Alemão, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. Com isso, a operação fez 26 vítimas, sendo a segunda mais letal da história do Rio.

De acordo com a Polícia Militar, a ação de terça-feira visava prender em flagrante mais de 50 traficantes de vários estados que sairiam em comboio à favela da Rocinha, na zona sul da cidade. O plano, porém, foi frustrado quando uma das equipes à paisana foi descoberta e atacada na entrada da comunidade, por volta das 4h.

A corporação então colocou em prática uma “operação emergencial”, seguida de várias horas de confrontos. A troca de tiros acabou subindo pela comunidade, até chegar a uma área de mata que liga a Vila Cruzeiro ao Complexo do Alemão, onde a maioria foi baleada.

À Folha, moradores relataram violações cometidas por policiais militares, como invasão de casas. No imóvel de uma moradora, a reportagem encontrou diversas perfurações por bala de fogo, inclusive em uma geladeira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em frente ao eletrodoméstico, ainda era possível encontrar o fragmento de uma bala na tarde desta quarta-feira (25), o que pode indicar que a perícia não esteve no local.

Em nota, a Polícia Civil diz que o trabalho dos peritos estava sendo feito até o momento em que um policial civil foi ferido no nariz por estilhaços de bala durante um ataque de criminosos. “Além disso, a maioria dos feridos foi encaminhada a unidades de saúde e, consequentemente, os locais onde foram atingidos na comunidade desfeitos pelos moradores.”

Folha procurou a Polícia Militar para que a corporação comentasse as denúncias feitas por moradores, mas não recebeu resposta ainda.

Durante entrevista coletiva após a incursão, a PM culpou o STF pela migração de criminosos ao estado. “A gente começou a reparar essa movimentação, essa tendência deles de migração para o RJ, a partir da decisão do STF”, declarou o secretário da corporação, coronel Luiz Henrique Marinho Pires.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Isso vem acentuando nos últimos meses. Esse esconderijo deles nas nossas comunidades é fruto basicamente dessa decisão do STF. É o que a gente entende, a gente está estudando isso, mas provavelmente deve ser fruto dessa decisão do STF”, continuou ele.

A operação virou alvo de investigação nos Ministérios Públicos federal e do estado do Rio de Janeiro. O objetivo é apurar eventuais violações de direitos durante a ação na comunidade da zona norte carioca.

Já o ministro Edson Fachin, relator no STF da ação que restringiu as operações policiais no Rio de Janeiro a casos excepcionais enquanto durasse a pandemia, afirmou em nota nesta quarta que viu com “muita preocupação” a ação na Vila Cruzeiro (RJ).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar