Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Ex de Jairinho diz que vereador torturava o filho dela

“Continuo sentindo medo, não sei o que pode acontecer e o que ele pode fazer”, disse a ex

Foto: Renan Olaz/Câmara Municipal do Rio de Janeiro

A estudante Débora Mello Saraiva, 34 anos, ex-namorada e amante do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, disse que ele torturava seu filho. Débora conta que, em uma das vezes, Jairinho chegou a pôr papel e pano na boca do menino.

As declarações foram dadas no programa “Cidade Alerta”, da Record, nesta quinta-feira (15). “Eu não disse (na delegacia) que era agredida. Preferi não dizer para me proteger. Apesar de estar aliviada por ter falado eu sei que posso contribuir falando isso. Mas continuo sentindo medo, não sei o que pode acontecer e o que ele pode fazer. Ele é influente, eu tenho medo. Eu não aguentava mais segurar isso, todo mundo falando, me procurando. Fiquei pensando, daqui a pouco vão falar que eu fui omissa, como estão falando da Monique. Eu nunca deixei de proteger meus filhos”, contou, na entrevista.

Câmera no quarto de Henry

A Polícia Civil encontrou uma câmera de monitoramento ainda na caixa no quarto de Henry Borel, 4 anos, morto no dia 8 de março. O equipamento foi citado pela mãe do menino, a professora Monique Medeiros da Costa e Silva, depois que ela recebeu uma videochamada em que ele e sua babá narraram agressões de Jairinho.

Monique já havia comentado com a babá de Henry, Thayná Ferreira, sobre a hipótese de colocar uma câmera discreta no quarto do garoto. Thayná contou que Henry dizia ser ameaçado pelo padrasto, o vereador Dr. Jairinho: “[Jairinho] fala que não pode contar, que ele perturba a mãe dele, que tem que obedecer ele”. No fim, sugere que Monique chegue de surpresa algum dia para flagrar o namorado, e a mãe responde que quer instalar uma microcâmera.

Relembre parte da conversa:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

16:49 THAYNÁ: Já sei o que a gente pode fazer
16:50 MONIQUE: O que
16:50 THAYNÁ: Você um dia falar que vai demorar na rua
16:50 THAYNÁ: E ficar aqui em algum lugar escondida
16:50 THAYNÁ: Ou lá em baixo
16:50 THAYNÁ: E chegar do nada
16:50 MONIQUE: Ele foi pro nosso quarto ou o do Henry?
16:50 THAYNÁ: Para o seu quarto
16:51 MONIQUE: Eu vou colocar microcâmera
16:51 THAYNA: E sempre no seu quarto
16:51 MONIQUE: Me ajuda a achar um lugar
16:51 MONIQUE: Depois eu tiro
16:51 THAYNÁ: Meu padrinho instala câmeras
16:51 THAYNÁ: Tem até empresa de câmera
16:51 MONIQUE: Mas tem que ser imperceptível
16:51 THAYNÁ: Porque não tá normal
16:51 MONIQUE: Vdd
16:52 MONIQUE: Vai me avisando se ele falar alguma coisa
16:52 THAYNÁ: E eu tenho medo pq cuido dele com muito amor e tenho medo até dele cair comigo. Aí não sei o que Jairinho faz quando chega, depois ele tá machucado sei lá
16:52 THAYNÁ: Tá bem
16:52 MONIQUE: Tô aqui de olho no telefone
16:52 THAYNÁ: Tá bem






Você pode gostar