Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Defesa da ciência vira disciplina obrigatória nos cursos de Saúde

Instituições de ensino superior têm investido em cursos de pós-graduação que abordam habilidades como a importância da comunicação

Foto: Secretaria de Saúde

As relações entre profissionais de saúde e pacientes sempre foram marcadas por confiança. Esse elemento, entretanto, foi colocado em xeque durante a pandemia da covid-19: um surto de boatos e fake news questionou tratamentos, medicamentos e até mesmo as bases da ciência. O caso mais exemplar é o avanço de movimentos antivacina.

Para auxiliar os profissionais de saúde a lidar não somente com doenças, mas com esse cenário de desinformação que coloca vidas em risco, as instituições de ensino superior têm investido em cursos de pós-graduação que abordam habilidades como a importância da comunicação científica para o pessoal da área médica. A formação nesses moldes é a Especialização em Comunicação em Saúde: fundamentos, práticas, agendas e desafios, ofertado pela Fiocruz Brasília. O curso busca identificar e discutir as principais tendências da comunicação na sociedade contemporânea, bem como a influência de tais meios na criação de valores e práticas relacionadas com a saúde. Nesse aspecto, o programa aborda uma das ferramentas mais comuns na disseminação de informações: as redes sociais.

“Temos o viés mais pragmático de fazer o profissional entender o funcionamento das redes sociais e trabalhar com tais canais”, diz Wagner Vasconcelos, coordenador do curso. “Além de vias de transmissão, as redes diferem de outras mídias por serem também espaços de produção de conteúdo, o que pode facilitar nosso diálogo com a sociedade.”

A pós é estruturada em módulos como Fundamentos e Políticas de Saúde; Fundamentos da Comunicação em Saúde; Saúde e Mídias e Territórios da Comunicação em Saúde. Um deles é dedicado à divulgação científica para além do universo acadêmico, com o intuito de fazer chegar à população um conhecimento produzido com rigor.

“Em muitos casos, uma instituição elabora um estudo e o divulga em espaços científicos, por meio de artigos, seminários, congressos e outros ambientes herméticos da ciência”, explica Vasconcelos. “Nosso objetivo é mostrar como as pesquisas podem chegar à sociedade em formatos diferentes dos convencionais. Isso não é podar os resultados de um estudo, mas sim torná-los mais assimiláveis para a população.”

Pandemia faz surgir pós-graduação ‘sob medida’

As peculiaridades da covid 19 – com sequelas de longo prazo e possível necessidade de imunização periódica – fizeram surgir novos grupos de pesquisa e propostas de cursos de pós-graduação. Em Porto Alegre, surgiu a pós-graduação em Fisioterapia Hospitalar e Terapia Intensiva Adulto, Pediátrico e Neonatal da Faculdade Moinhos de Vento, com disciplinas como Suporte Ventilatório e Fisioterapia em Situações Especiais e Paciente Crítico. “O aluno que concluir nosso curso fica apto para reabilitar o paciente contaminado, quer seja alguém oriundo de casos graves ou mais leves”, afirma o coordenador do curso, Leonardo Correa Garcia.

Na Unyleia, o curso de pós-graduação em Imunologia e Serviços de Vacinação é oferecido no formato a distância. “Nossas formações tiveram aumento na procura de 30% com a pandemia”, diz o coordenador, Luiz Henrique Horta Hargreaves. Em um combate ao cenário de negacionismo, o curso estimula o desenvolvimento de pesquisa, para estimular a autonomia intelectual e espírito investigativo. “Nas discussões e atividades em sala de aula, não há espaço para debates que não estejam pautados na literatura internacional especializada e na adoção das medidas de prevenção. Em todas as nossas disciplinas, sempre ressaltamos os riscos do uso de informações que não sejam de fontes confiáveis.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo








Você pode gostar