Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Curitiba volta a recomendar uso de máscara em lugares fechados

Segundo o órgão, ainda não há levantamento que indique o impacto da Covid, nos últimos meses, nas escolas da rede privada

Por FolhaPress 23/05/2022 5h39
Um homem segura uma máscara de respirador PFF2 na fábrica da Delta Plus em Socorro, estado de São Paulo, Brasil, 3 de março de 2020. Foto tirada em 3 de março de 2020. REUTERS / Rahel Patrasso

Maruen Luc
Curitiba, PR

A Prefeitura de Curitiba passou a recomendar desde a última sexta-feira (20) o uso de máscara em espaços fechados ou em aglomerações. O aviso foi dado após uma nova onda de casos de Covid-19 na cidade e a um aumento no atendimento de adultos e crianças com doenças respiratórias.

A medida não tem caráter obrigatório –em 29 de março, a gestão municipal flexibilizou o uso do equipamento, que passou a ser opcional em quase todos os casos, inclusive em ambientes fechados.

Atualmente, seu uso só é obrigatório em ambientes de saúde (como hospitais, postos e consultórios) e para quem está com sintomas de Covid. Essa regra segue em vigor.

A nova recomendação sanitária da prefeitura faz parte de um protocolo de responsabilidade sanitária e social para doenças de transmissão respiratória. A medida, anunciada na sexta, foi tomada após pressão no sistema de público de saúde.

Com isso, a prefeitura voltou a solicitar que a população use máscaras no transporte coletivo, terminais, estações, shows, jogos, shoppings, lojas e supermercados.

A alta nos casos está ligada à sublinhagem BA.2 da variante ômicron, que apresenta mais chances de transmissão, mas menor gravidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nas últimas duas semanas, a cidade registrou aumento de 171% na média móvel de novos casos, com 1.466 confirmações.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a média móvel de casos ativos em Curitiba teve 289% de aumento no mesmo período, com 10.356 pessoas infectadas.

O Sinepe/PR (Sindicato das Escolas Particulares do Paraná) informou que segue as recomendações dos órgãos públicos para prevenção da doença, no entanto, “deixará a critério das instituições associadas a decisão por manter ou não a obrigatoriedade do uso de máscaras”.

Segundo o órgão, ainda não há levantamento que indique o impacto da Covid, nos últimos meses, nas escolas da rede privada de ensino.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar