Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Brasil

Anvisa autoriza inclusão de 3ª dose na bula da Pfizer

Além da Pfizer, atualmente a agência analisa pedidos semelhantes da AstraZeneca e da Janssen

Por Geovanna Bispo 24/11/2021 4h48
Foto: Geovana Albuquerque/Saúde-DF

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta quarta-feira (24), a inclusão da dose de reforço na bula da vacina contra a covid-19 Pfizer. A nova dose deve ser aplicada em pessoas com 18 anos ou mais, em um intervalo mínimo de seis meses entre as doses.

Dessa forma, a agência considera que as evidências científicas comprovam a eficácia da aplicação da terceira dose do imunizante. A indicação de reforço aprovada pela Anvisa é de uso homologo, ou seja, de reforço para pessoas que receberam a Comirnaty na primeira imunização.

A Comirnaty é uma vacina já registrada no país, por isso a decisão final sobre a inclusão da dose de reforço na bula é da própria Gerência-Geral de Medicamentos da Agência.

Além da Pfizer, atualmente a agência analisa pedidos semelhantes da AstraZeneca e da Janssen. No caso da Coronavac, a outra vacina utilizada no país, ainda não há pedido do laboratório para avaliação.

Novas doses

Também nesta quarta, o Ministério da Economia anunciou a liberação de mais R$ 1,4 bilhões para a compra de novas doses de vacinas. Com o valor, a Saúde poderá adquirir mais 100 milhões de vacinas.

O valor autorizado pela Economia refere-se a um crédito suplementar à Lei Orçamentária deste ano. Desde o início da pandemia, foram diversos pedidos de créditos adicionais para a compra dos imunizantes foram atendidos, somando, no total, cerca de R$ 31 bilhões.

Vacinação

Atualmente, mais de 158 milhões de brasileiros (89,4%) iniciaram o ciclo de vacinação com a primeira dose e 133 milhões (75,4%) já completaram com a segunda dose ou com o imunizante de dose única.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Desde a chegada do vírus no país, em março do ano passado, 22 milhões de casos da doença foram notificados e 613.066 pessoas faleceram em decorrência de complicações do da doença. Todas as informações são do Ministério da Saúde.








Você pode gostar