fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Mulher se casa com ela mesma em Minas Gerais e atrai seguidores da ‘sologamia’

Este é o primeiro ‘auto casamento’ do Brasil; objetivo é exaltar a autoestima e o amor próprio

Aline Rocha

Publicado

em

PUBLICIDADE

A empresária Jussara Couto, de 38 anos, casou-se consigo mesma no último domingo, 26, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Ela se tornou a primeira pessoa a fazer um casamento sologâmico – ou seja, de um membro só – no Brasil.

O evento ocorreu em uma praça da capital mineira para celebrar o amor próprio, com a presença de amigos e familiares. Ao som de Tocando em Frente, de Almir Sater, e vestida de noiva, com um buquê nas mãos, a mulher subiu em um altar improvisado e falou palavras de autoestima e aceitação.

A iniciativa chamou a atenção dos usuários do Instagram, que não economizaram elogios ao falar de Jussara. “A vida que segue sempre é bem acompanhada do amor próprio”, escreveu uma internauta. “Você é exemplo para muitas pessoas que não se amam, que não sabem o quanto são maravilhosas”, disse outra.

Por outro lado, alguns internautas não gostaram da ideia. “Isso é para tirar dinheiro de gente narcisista, que deseja mandar recado para um ex-companheiro nas redes sociais e ostentar, ser o centro das atenções. Isso está longe de ser autoestima”, criticou uma mulher. “É narcisismo, não é casamento. Não me chamem para isso pelo bem da humanidade”, reclamou outra.

https://www.instagram.com/p/Bx987MulC_A/

O que é a sologamia?

A ‘noiva’ e sua amiga Daniele Cerqueira, ambas profissionais da área de eventos, criaram a organização Eu Comigo, especializada em casamento sologâmico. “A cerimônia não é feita para substituir alguém, ou porque a pessoa não quer se relacionar com outra no futuro”, explica a dupla na página do Instagram. “O auto casamento pode ser qualquer coisa, desde um simples ritual no quarto de alguém até uma celebração mais luxuosa”, completa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esperançosas com a iniciativa, as empresárias acreditam que as pessoas que trabalham na indústria de casamentos terão que pensar em serviços para os ‘sologamistas’ nos próximos anos.

Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade