Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Mulher denuncia colega de trabalho que desejou volta da escravidão

Ela diz que ouviu a frase que abre o texto de um colega no escritório onde os dois trabalhavam, em Botafogo (zona sul carioca), em 10 de setembro

Publicado

em

PUBLICIDADE

Eunice Cides de Oliveira, 30, temperava com azeite a sopa de legumes com frango que trouxe de casa, mimo do marido chef. Coisa de mulher: faz dieta por achar que está acima do peso (não está). O que era para ser mais um almoço como tantos outros na vida desta agente de viagens da Club Med se tornou rapidamente, segundo ela, assédio sexual com fortes contornos racistas.

Ela diz que ouviu a frase que abre o texto de um colega no escritório onde os dois trabalhavam, em Botafogo (zona sul carioca), em 10 de setembro.
“Eu estava na copa, conversando com as meninas. Esse funcionário pegou no meu braço, chegou dizendo que queria que a escravidão voltasse, que eu teria que fazer sexo com ele, repetindo o tempo todo que eu deveria fazer o que ele quisesse, como se fosse a coisa mais normal do mundo”, Eunice afirma à Folha. “Ainda fazia gestos como se estivesse me chicoteando, fazendo sexo comigo.”

Na hora, afirma, “só consegui dizer algo do tipo ‘sério que você vai falar isso mesmo?’. Ele continuava rindo, como se fosse brincadeira”. Segundo a agente, a resposta da empresa foi decepcionante, e seu superior, assim que soube de tudo, a chamou de “chata pra caralho”.

Ela conta que chamou seu coordenador para relatar o episódio no mesmo dia. “Contei já desesperada, tremendo demais. Ele me levou para uma sala restrita, chamou outro supervisor. Eles queriam que eu fosse conversar com o agressor. Respondi que eu não tinha condição nenhuma. Foram lá falar com ele, e o cara disse que ia me pedir desculpa quando cruzasse no corredor.”

O advogado dela, Bruno Cândido, diz que registrou uma ocorrência por injúria racial no Decradi (Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância) contra o suposto assediador racista, Sérgio Simões, e contra o coordenador por injúria simples, crime com menor potencial ofensivo.

A Polícia Civil do Rio confirma o recebimento e informa que o caso foi registrado e que diligências estão sendo realizadas para apuração dos fatos.
O homem por ela acusado acabou demitido dias depois. Mas isso, de acordo com Eunice, só aconteceu após a situação ficar insustentável. Havia testemunhas corroborando que o suposto agressor era reincidente em “piadinhas e falas assediadoras”, ela diz.

Eunice afirma ainda que o supervisor para quem relatou tudo não só fez pouco caso a princípio como antes da demissão do funcionário enviou mensagens pelo WhatsApp a xingando. Seu advogado encaminhou à reportagem prints da conversa. Após mensagens de áudio, o superior diz: “Filha da puta!! Chata pra caralho!!!!”.

Isso aconteceu três dias depois de ela ter denunciado o suposto assédio na copa. “Tinha acabado de falar com meu coordenador ao telefone, explicando justamente que ia na consulta com a psiquiatra e que não tinha ido ao trabalho por pedido da psicóloga. Depois que terminamos a ligação, ele, na intenção de mandar mensagem para o outro chefe, mandou errado, pro meu WhatsApp.”

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Club Med diz que demitiu o funcionário acusado de agressão sexual e injúria racial e afirma que repudia “de forma veemente o racismo, bem como qualquer ato de razão discriminatória, seja com base em gênero, raça, credo ou qualquer outra natureza”.

A empresa afirma que o caso foi comunicado à equipe de Recursos Humanos uma semana depois do ocorrido. Não especificou se a demora em relatá-lo ao RH partiu do supervisor de Eunice, que diz ter falado no mesmo dia com ele sobre o que se passou na copa.

Segundo o Club Med, “a discriminação é contrária não apenas à lei mas também a nossos valores”. Outras medidas de “acompanhamento contínuo da funcionária estão em andamento”, diz a empresa.

Eunice afirma que o RH da companhia fez um único chamado para ouvi-la, nove dias após o episódio, e diz não ter ido por lhe faltarem condições emocionais. Ela está, por ora, de licença médica por estresse pós-traumático. A agente já havia tirado cinco dias para se recuperar e diz que voltou para uma empresa enfrentando um clima hostil.

O Club Med dá outra versão. Afirma que “está à frente para acolher e prestar todo apoio necessário à colaboradora e, para isso, em diversas vezes a convidou para abrir um diálogo após o ocorrido”. “Nos orgulhamos de ser uma companhia multicultural e que abraça todas as formas de diversidade.”

Cândido afirma que seu escritório de advocacia protocolou uma denúncia contra a empresa no Ministério do Trabalho e “está preparando uma reclamação trabalhista, instrumento adequado para discutir reparação por danos originados no ambiente de trabalho”.

“É importante informar que buscamos que o caso seja enquadrado também como racismo, injúria racial e assédio sexual. Racismo pois a fala inicialmente é direcionada a uma coletividade de mulheres negras, ‘eu queria que a escravidão voltasse, porque eu pegaria ALGUÉM'”, diz o advogado. Com informações da Folhapress.


Você pode gostar
Publicidade
Publicidade
Publicidade