fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Na Hora H!

Ex-doméstica estuda através de livros resgatados do lixo e passa em concurso da PM

Marido pegava livros que encontrava jogados no lixo e levava para que a esposa pudesse estudar

Avatar

Publicado

em

Foto: Arquivo pessoal/Andreia Guimarães Tavares
PUBLICIDADE

A futura policial militar Andreia Guimarães Tavares, de 32 anos,  morava embaixo de uma lona há 17 anos atrás. Desde que se formou em direito, a vida da ex-doméstica passou por transformações e hoje ela é aspirante da Polícia Militar, após passar no concurso da corporação. O marido, José Francisco Barros, de 37 anos, auxiliou a mulher nas jornadas de estudo. Ele pegava livros que encontrava jogados no lixo e levava para que a esposa pudesse estudar.

O casal chegou em Goiânia em 2003 a procura de uma vida melhor. Na época, Andreia estava com o filho recém-nascido nos braços. Eles são naturais do Pará e atualmente o filho do casal está com 16 anos.

“Quando a gente veio, o início foi bem difícil. Moramos embaixo de uma lona, só tinha uma cama, fazíamos as necessidades no mato. Ele pedalava 13 km para ir ao trabalho e o mesmo tanto para voltar para casa”, disse Andreia ao Portal G1.

Andreia procurou nos estudo um caminho para mudar de vida. Ela trabalhava como doméstica durante o dia e estudava durante a noite. Ela concluiu o ensino médio com o auxilio do marido, que trabalhava como gari e recolhia livros do lixo. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os livros de literatura auxiliaram a mulher a ir bem na prova do Enem. Com o desempenho, ela conseguiu uma bolsa integral em um curso de direito. Ela conta que nessa época nunca comprou sequer um livro jurídico, pois recebia doações e conseguia pegar emprestado de colegas.

Antes de se formar, Andreia já possuía um emprego na prefeitura. O passo seguinte foi passar no exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Em 2016, prestes a se formar, uma nova oportunidade bateu à sua porta: um concurso para a carreira de oficial da PM.

Foto: Arquivo pessoal/Andreia Guimarães Tavares

 

O concurso disponibilizava dez vagas, que eram disputadas entre 2,5 mil inscritos. Com muito esforço, uma das vagas foi de Andreia.

Em julho, Andreia espera ser promovida a tenente. Ela tem a pretensão de alcançar o cargo de coronel, o mais alto da patente militar. O filho do casal cursa o ensino médio e sonha fazer faculdade de sociologia. Andreia demonstra profunda gratidão pelo marido, que até hoje trabalha como gari. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade