Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Na Hora H!

Criança fica com prego no pulmão por 1 ano e morre

Os pais da criança acusam o hospital de negligência. As informações são do Portal G1

Foto: Reprodução

Um menino de 3 anos morreu depois de passar um ano com um prego no pulmão. O caso aconteceu em Canavieiras, cidade no sul da Bahia. Os pais da criança acusam o hospital de negligência. As informações são do Portal G1.

Segundo os responsáveis, o pequeno foi levado diversas vezes no hospital, mas o prego só foi descoberto depois que eles fizeram um exame por conta própria. Cauan Araújo Conceição engoliu o objeto em junho de 2021, na ocasião, ele foi levado ao Hospital Municipal de Canavieiras.

“Naquela noite, eu senti que ele estava engasgado, saiu até sangue da boquinha dele. Aí, imediatamente, eu levei para o hospital, na mesma noite. Chegando lá no hospital, o médico olhou e falou que não tinha nada na garganta da criança. Aí a gente voltou”, contou Cosme Conceição, pai do garotinho, em entrevista à Globo News.

Sua mãe, Clarice Araújo, afirma o mesmo. “Ele ficava sentindo febre e tossindo demais. De um tempo para cá, a dor foi começando a chegar. Uma dor do lado direito dele, que ele ficava andando torto, de lado. A gente sempre levando no hospital, e ele só davam medicamento. Aí quando o efeito do medicamento passava, a dor e a febre continuavam vindo”.

A penúltima ida ao hospital foi feita no dia 27 de junho. A médica afirmou que ele estaria com sintomas de asma. Nenhum exame foi solicitado, assim como nas outras oportunidades.

O prego só foi descoberto quando os pais do menino pagaram um exame de raio-x particular. Eles retornaram ao hospital e o pequeno foi deixado na fila de espera, depois foi transferido para Salvador.

No Hospital Geral do Estado (HGE), ele passou por uma cirurgia. O objeto, no entanto, perfurou os dois pulmões de Cauan, que chegou a ficar internado, mas não resistiu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Nunca me deram o pedido para eu correr atrás. Mesmo que eles não pudessem fazer no hospital, me davam pelo menos o pedido para eu cuidar de meu filho em uma clínica particular. Sempre só medicamento, nunca teve solicitação de exame nenhum”, disse Clarice.

Os pais acreditam que o filho morreu por negligência. “Se ele ‘caçassem’ providencia logo, meu filho estaria vivo aqui. Meu filho era uma parte de mim. É doído a pessoa perder um filho. Eu quero justiça para que não aconteça mais isso, para que não aconteça com outras crianças”.

Em nota enviada ao Portal G1, a Secretaria de Saúde de Canavieiras informou que a primeira procura dos pais pelo sistema de saúde foi feita na última segunda-feira, 27. A família, no entanto, tem documentos que comprovam o contrário. Por fim, a pasta informou que o caso está sob investigação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar