Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Parlamentares aprovam emenda que adia votação sobre acordo do Brexit

A chamada emenda Letwin terá o efeito de adiar a votação decisiva do acordo de saída negociado pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, com a União Europeia, forçando Johnson a pedir uma prorrogação de prazo à UE

Publicado

em

Publicidade

Os parlamentares britânicos aprovaram neste sábado, por 322 votos a 306, uma emenda que adiará o Brexit até que o Parlamento aprove a lei que implementa o acordo de saída da União Europeia.

A chamada emenda Letwin terá o efeito de adiar a votação decisiva do acordo de saída negociado pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, com a União Europeia, forçando Johnson a pedir uma prorrogação de prazo à UE.

O Parlamento aprovou anteriormente uma lei obrigando-o a fazer isso se um acordo não tivesse sido aprovado até este sábado. A medida busca garantir que o Reino Unido não saia da UE sem um acordo na data prevista de saída, em 31 de outubro.

O governo ainda espera poder aprovar a legislação necessária até o fim do mês para que o Reino Unido possa deixar o bloco a tempo. Fonte: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Johnson diz que não negociará adiamento com UE

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse que seguirá em frente e tentará fazer com que o país deixe a União Europeia até 31 de outubro.

Ele afirmou neste sábado que não está assustado ou consternado com a votação da emenda que adia a aprovação do novo acordo Brexit e assinalou que não haverá novas negociações com a UE.

“A melhor coisa para o Reino Unido e a União Europeia é Brexit em 31 de outubro”, disse. “Não negociarei adiamento com a UE.” Johnson disse ainda esperar que o bloco não mostre interesse em ampliação de prazo.

Johnson afirmou acreditar que pode obter apoio “esmagador” para o novo plano de saída do Brexit e que vai propor a legislação necessária para fazer com que isso aconteça. O primeiro-ministro afirmou ainda que não é obrigado pela lei a negociar mais com a UE. 


Você pode gostar
Publicidade