Siga o Jornal de Brasília

Mundo

México reforça fronteira para evitar tarifas americanas

A decisão, anunciada nessa quinta-feira (6), junta-se a outras medidas destinadas a aliviar as tensões com o Estados Unidos (EUA)

Publicado

em

Publicidade

O governo mexicano anunciou a mobilização de 6 mil integrantes da Guarda Nacional para a fronteira com a Guatemala, a fim de conter o fluxo de migrantes centro-americanos. A medida é uma tentativa de evitar a imposição de tarifas alfandegárias americanas.

A decisão, anunciada nessa quinta-feira (6) em Washington pelo ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, junta-se a outras medidas destinadas a aliviar as tensões com o presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump.

O líder americano acusa o México de tomar pouca ou nenhuma atitude para barrar migrantes da América Central que têm se movido em grandes grupos pelo país rumo aos EUA – Trump ameaçou retaliar com a imposição de tarifas alfandegárias a partir da próxima segunda-feira (10).

As autoridades mexicanas já tinham ordenado, por exemplo, o bloqueio das contas bancárias de 26 pessoas suspeitas de envolvimento em tráfico de migrantes, além do regresso de cerca de 100 hondurenhos ao país de origem e a detenção de ativistas que defendem os direitos de migrantes.

Publicidade

Forças de segurança barraram nesta semana uma caravana de cerca de 1.200 migrantes, a maioria hondurenhos, que tinham acabado de entrar no México a partir da Guatemala.

O vice-presidente americano, Mike Pence, afirmou que os EUA estão se sentindo “motivados” pelas mais recentes propostas apresentadas pelo México para controlar o fluxo migratório, mas que Washington mantém a intenção de aplicar tarifas alfandegárias a partir de segunda-feira “caso não sejam vistos os resultados que se pretendem”.

Sem um entendimento entre os dois governos, as primeiras taxas alfandegárias começam a ser aplicadas às importações provenientes do México no próximo dia 10, com o valor de 5%, podendo ser aumentadas até 25%. O ministro mexicano das Relações Exteriores está em Washington para tentar convencer a Casa Branca de desistir da ideia de impor as tarifas.

Autoridades mexicanas e americanas estiveram reunidas na quarta-feira (5) para debater as questões migratórias na fronteira entre os dois países e ainda as taxas que poderão ser impostas a todos os produtos mexicanos nos Estados Unidos.

Apesar de os dois lados afirmarem que houve avanços nas negociações ocorridas na Casa Branca, Trump reiterou que ainda há “muito progresso” a ser feito para suspender as taxações previstas sobre os produtos mexicanos.

Trump renovou sua ameaça ao publicar no Twitter, durante viagem pela Europa, que as negociações em Washington continuariam “com o entendimento de que, se nenhum acordo for alcançado, as tarifas de 5% começarão na segunda-feira, com aumentos mensais conforme o cronograma” já definido.

“Estamos tendo uma ótima conversa com o México”, disse o presidente. “Vamos ver o que acontece. Mas algo muito dramático pode ocorrer. Dissemos ao México que as tarifas continuariam. E estou falando sério também. E estou muito feliz com isso.”

México

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, defendeu que seja mantida a “amizade” com o povo americano, mas anunciou que visitará neste sábado a fronteira com os Estados Unidos a fim de “defender a dignidade” de seu país.

“Esta viagem à cidade fronteiriça de Tijuana visa a defender a dignidade do México”, disse Obrador em entrevista ontem. “Estamos analisando todas as opções [diante das ameaças americanas], mas a nossa posição é manter, acima de tudo, a amizade com o povo dos Estados Unidos.”

Segundo o governo mexicano, 300 mil migrantes já chegaram ao país a partir da Guatemala somente neste ano, e as autoridades detiveram 51 mil deles – isso representa um aumento de 17% em relação ao mesmo período de 2018. A fronteira do México com o país vizinho ao sul tem 1.138 quilômetros, sendo grande parte de campos abertos e selva.

O Departamento de Segurança Interna dos EUA, por sua vez, comunicou que a quantidade de pessoas detidas na fronteira entre o país e o México subiu, em maio, para o número mais alto em uma década: 132.887 pessoas. Desse total, 11.507 eram crianças que viajavam desacompanhadas.


Você pode gostar
Publicidade