fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Em nova derrota para Trump, Michigan certifica vitória de Biden

Após revisar um relatório feito pelo governo estadual, que mostrava Joe Biden com uma vantagem de 154 mil sobre Trump, o conselho responsável pela certificação –composto por dois democratas e dois republicanos– confirmou o resultado por 3 a 0

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Resistindo à pressão do presidente Donald Trump para atrasar o processo, o estado de Michigan certificou nesta segunda-feira (23) a vitória de Joe Biden. Com isso, o democrata leva os 16 delegados do estado no Colégio Eleitoral.

Após revisar um relatório feito pelo governo estadual, que mostrava Joe Biden com uma vantagem de 154 mil sobre Trump, o conselho responsável pela certificação –composto por dois democratas e dois republicanos– confirmou o resultado por 3 a 0.

Um dos dois republicanos, Norm Shrinkle, se absteve de votar. A outra, Monica Palmer, chegou a sugerir que os resultados oficiais deveriam excluir a cidade de Detroit, onde 79% dos habitantes são negros e o democrata venceu com 94% dos votos.

A certificação põe fim a mais um capítulo da batalha midiática, política e jurídica encabeçada por Trump e pelo Partido Republicano para impedir que a vitória de Joe Biden, anunciada no dia 7, seja consumada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na semana anterior, Trump tentou interferir em Michigan –onde havia ganho em 2016– de forma explícita. Na sexta-feira (20), o presidente se reuniu na Casa Branca com congressistas republicanos do estado sem divulgar previamente o teor da conversa. Estavam lá o presidente do Senado estadual, Mike Shirkey, e o da Câmara estadual, Lee Chatfield, o senador estadual Tom Barrett e o representante estadual Jason Wentworth.

Tanto Shirkey como Chatfield já haviam dito que não iriam interferir na certificação, mas dias antes chegaram a criar um comitê bicameral para analisar supostas irregularidades na apuração, dando margem ao discurso conspiratório de Trump.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Barrett, por sua vez, é apoiador fervoroso do presidente e crítico da secretária de Estado de Michigan, a democrata Jocelyn Benson, responsável por coordenar a contagem local. Na semana que antecedeu a reunião, ele havia pedido que o processo fosse investigado antes da certificação, também sob o pretexto das supostas irregularidades.

Nos dias anteriores à reunião, Trump vinha tentando convencer legisladores dos estados onde Biden ganhou a indicar delegados para o Colégio Eleitoral que fossem favoráveis ao republicano. Dessa vez, optou por uma estratégia diferente: no sábado (21) o Comitê Nacional Republicano e o Partido Republicano de Michigan escreveram ao conselho eleitoral do estado pedindo um adiamento de 14 dias na certificação dos resultados da eleição para permitir uma auditoria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A secretária de Estado de Michigan, Jocelyn Benson, respondeu dizendo que planejava uma auditoria pós-eleitoral. A justificativa que deu foi a lei estadual, que a proíbe de iniciar esse processo antes da certificação, uma vez que estado não pode obter acesso às urnas até a conclusão da tarefa.

Os próximos estados a certificarem seus resultados são Nevada, Pensilvânia, Arizona e Wisconsin. No dia 14 de dezembro, os 538 delegados do Colégio Eleitoral se reúnem nas capitais estaduais e depositam votos nos candidatos vencedores em cada estado. Os certificados das votações nos estados devem chegar à capital, Washington, no dia 23 de dezembro. A posse está marcada para o dia 20 de janeiro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
>

As informações são da FolhaPress




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade