fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

China confirma suspensão de exportação de carne suína de unidades da BRF e da JBS

O documento não informa os nomes das empresas, mas sim seus números de registros no Serviço de Inspeção Federal (SIF), do Ministério da Agricultura

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Duas unidades de produção de carne suína, da JBS e da BRF, tiveram suspensas a exportação para a China, de acordo com comunicado do Departamento de Alfândegas da China (GAAC, na sigla em inglês) – órgão do governo chinês responsável pela habilitação de estabelecimentos exportadores e que também realiza o controle de mercadorias na aduana. O comunicado, divulgado no sábado, 4, informa a suspensão das importações de carne suína das plantas da Seara Alimentos Ltda. da JBS, de Três Passos (RS/SIF 60), e da BRF S/A, de Lajeado (RS/SIF 3975), ambas no Rio Grande do Sul.

O documento não informa os nomes das empresas, mas sim seus números de registros no Serviço de Inspeção Federal (SIF), do Ministério da Agricultura.

O Gaac também não especifica o motivo do veto mas, as plantas suspensas têm em comum o fato de já terem registrado casos do novo coronavírus entre seus funcionários.

A necessidade de aumentar o controle sanitário em decorrência da covi-19 é o motivo alegado extra-oficialmente pelo governo chinês para a suspensão temporária de frigoríficos de vários países.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na semana passada, outros quatro frigoríficos brasileiros também tiveram a comercialização suspensa pelo governo chinês. Na ocasião, unidades da JBS, Marfrig, Minuano e Agra foram as afetadas.

Além das empresas brasileiras, o comunicado do Gaac informa a suspensão de exportação de carne suína de dois frigoríficos alemães.

Segundo o departamento, uma empresa de carne bovina da Inglaterra suspendeu voluntariamente a exportação de carne bovina para a China desde 2 de julho, assim como um frigorífico da Argentina tomou o mesmo procedimento a partir de 1º de julho.

Uma empresa de carne suína da Itália e outra da Holanda também restringiram as vendas externas para a China de forma independente, a partir de 1º de julho e 28 de junho, respectivamente, de acordo com o Gaac.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade