fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Mundo

Americano preso na Venezuela confessa plano de golpe em vídeo

Um cidadão americano capturado disse que ajudou a treinar e acompanhou uma pequena força que tentou invadir o país por mar no fim de semana passado

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Um cidadão americano capturado, aparecendo em uma transmissão de vídeo na televisão venezuelana na quarta-feira, 6, disse que ajudou a treinar e acompanhou uma pequena força que tentou invadir o país por mar no fim de semana passado.

O vídeo de Luke Denman, ex-soldado das Forças Especiais dos EUA, foi exibido durante uma longa entrevista coletiva realizada pelo presidente venezuelano Nicolás Maduro. Denman parecia cansado, mas falou calmamente em inglês em resposta a perguntas de um questionador atrás das câmeras, e não foi possível determinar se ele estava sob pressão direta.

Embora poucos venezuelanos tenham visto a apresentação de Maduro, que ocorreu durante um apagão no país, ele tentou aumentar a tensão com os Estados Unidos dizendo que era impossível acreditar que o presidente Trump não sabia nada sobre a operação fracassada.

Na quarta-feira, altos funcionários do governo Trump repetiram fortes negações de que apoiavam ou estavam cientes do plano. “Não houve envolvimento direto do governo dos Estados Unidos”, disse o secretário de Estado Mike Pompeo em entrevista coletiva. “Se tivéssemos participado, o desfecho teria sido bem diferente.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A política do governo Trump inclui esforços para tentar fazer as forças de segurança venezuelanas se voltarem contra Maduro, e Trump disse repetidamente que “todas as opções estão sobre a mesa” para forçá-lo a se afastar.

Mas Pompeo e outros compararam o esforço fracassado a uma farsa e disseram que a participação do governo dos EUA teria garantido o sucesso.

“Se de fato fosse uma operação de captura liderada pelos EUA, como Maduro alega, ele estaria sendo processado no Distrito Sul de Nova York nesta semana”, disse um alto funcionário, que considerou as alegações de Maduro “quase cômicas”.

O funcionário descreveu o autoproclamado organizador da operação, o chefe da empresa de segurança da Flórida, Jordan Goudreau, como um “vigarista” em quem não se podia acreditar. A decisão de Goudreau de prosseguir com o plano, depois que era provável que a segurança venezuelana estivesse ciente disso, foi “incompreensível”, disse o funcionário, que falou sob condição de anonimato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Goudreau, ex-Boina Verde, convocou Denman e outro veterano de Operações Especiais, Airan Berry, para treinar e “supervisionar” a força de incursão dos desertores militares venezuelanos que vivem na Colômbia.

Goudreau disse ao Washington Post que estava agindo com base em um contrato assinado pelo líder da oposição venezuelana Juan Guaidó, reconhecido pelos Estados Unidos e mais de 50 outras nações como legítimo presidente do país, e outras figuras da oposição em Miami. Ele disse que o governo Trump estava ciente de suas atividades.

O líder da equipe de oposição de Miami reconheceu discussões preliminares com Goudreau, mas disse que todas as negociações com ele foram encerradas no outono. Representantes da oposição disseram que ficaram surpresos quando Goudreau apareceu em um vídeo online domingo, acompanhado por um general venezuelano desertado, para anunciar que uma operação para capturar Maduro havia sido lançada.

Segundo Denman, no vídeo apresentado por Maduro, ele estava envolvido no treinamento de uma força de 50 a 60 homens em Riohacha, uma cidade do nordeste da Colômbia perto da fronteira com a Venezuela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele disse que uniformes e armas foram fornecidos por Goudreau. “As únicas instruções que recebi da Jordânia foram as de garantir o controle do aeroporto para uma passagem segura de Maduro e o recebimento de aviões”. Ele disse que o plano era que Maduro fosse capturado e levado para os Estados Unidos.

Denman e Berry faziam parte de um grupo de oito presos pelas forças de segurança venezuelanas na manhã de segunda-feira, quando se aproximavam da costa rochosa em um pequeno barco, não muito longe do aeroporto internacional da Venezuela. Outros disseram que foram interditados separadamente e foram presos ou mortos.

Mais tarde, Maduro brandiu o que ele disse ser o passaporte e o crachá de Denman e Berry da empresa de Goudreau, Silvercorp, que ele disse ter sido encontrado neles.

Maduro disse na quarta-feira que os dois americanos “confessaram e garantiremos que a justiça seja feita e a verdade venha à tona”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Questionado sobre o que o governo Trump estava fazendo para libertar os dois homens, Pompeo disse que “se, de fato, esses americanos estão lá. . . usaremos todas as ferramentas que temos disponíveis para tentar recuperá-las. “

Além de declarar que Maduro não é o presidente legítimo da Venezuela, os Estados Unidos o indiciaram por acusações de narcotráfico e corrupção no início deste ano e ofereceram uma recompensa de US $ 15 milhões por sua captura e condenação.

Estadão Conteúdo


Leia também
Publicidade
Publicidade
Publicidade