Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Prazeres do vinho

Saiba como se tornar um expert em vinhos, mesmo sendo um iniciante

Degustar vinhos é um estilo de vida! Veja algumas dicas que te ajudarão a ingressar com o pé direito nesse universo

Por Daiany Nasteoli 29/05/2021 7h33
Saiba como se tornar um expert em vinhos, mesmo sendo um iniciante

Depois de começar seu caso de amor com o mundo dos vinhos, você descobrirá que é mais do que apenas uma bebida, o vinho se torna um estilo de vida. Conforme você bebe e estuda, seu conhecimento dessa deliciosa substância evolui e você sempre se descobrirá aprendendo algo novo sobre sua magnitude e sutilezas.

Com infinitas opções para escolher, é praticamente impossível não encontrar pelo menos um que você possa desfrutar, mesmo se você não for um “bebedor de vinho”.

Desde que comecei a degustar amplas qualidades de vinho durante todos esses anos, me tornei qualificada para oferecer conselhos valiosos, não somente aos iniciantes, mas também para quem já tem mais experiência no assunto. Certa vez, uma cliente, hoje minha aluna, que queria refinar seu gosto para o vinho, perguntou-me especificamente: Como uma pessoa que não entende absolutamente nada sobre vinhos poderia começar sua jornada? Depois de compartilhar minhas dicas com ela e também nos treinamentos que ministrei a milhares de pessoas, vi que essas informações seriam algo valioso para ser compartilhado aqui também.

No início, muitos se sentem intimidados com o vinho porque presenciaram ou assistiram muitas cenas, inclusive em filmes com conhecedores girando-o em taças, balançando-o na boca e depois cuspindo em baldes. Isso é uma parte, mas o vinho é muito mais descontraído e acessível que isso. Uma das melhores coisas sobre o vinho é permitir que você o experimente, e MUITO! Na maioria dos produtos você precisa comprar primeiro e depois testá-los para ver se funcionam ou não para você. No entanto, com o vinho, temos muitas oportunidades de experimentá-lo antes de se comprometer com a compra de uma garrafa inteira.

As degustações de vinhos é uma delas, para um iniciante é uma ótima ocasião para aprender sobre vários tipos de vinhos. Nas degustações temos um sommelier, que tem o trabalho de educar você sobre a história do vinho que eles estão servindo para você degustar. Eles devem ser capazes de lhe dizer sobre a uva, onde foi cultivada, com que harmoniza e até mesmo como recebeu seu nome. Tudo o que você precisa fazer é ficar parado com a taça, ouvir, degustar, viver a experiência e sentir. Se você não gostar de algo, não se sinta obrigado a tomar toda a amostra. Despeje-o educadamente no recipiente e comece a degustar o próximo. Além disso, use esse tempo cara a cara com o sommelier para fazer perguntas. Pessoas que amam vinho também adoram falar sobre ele. Na verdade, é normalmente difícil fazê-los calar a boca porque são apaixonados por vinho. A chave para uma educação enológica é expor-se a vários vinhos e não ter medo de experimentar e fazer pesquisas. Faça da degustação de vinhos uma experiência prazerosa.

O desenvolvimento de um paladar para vinhos refinados leva tempo. Pode levar algum tempo para começar a apreciar o sabor de um vinho tinto seco, ou pode levar minutos para você perceber que nunca vai querer apreciá-lo pelo resto da vida. Se você saborear vinhos mais doces ou champanhe no início, eles ainda contam como vinhos de verdade. Todos nós temos um ponto de partida de algum lugar e então passamos para nossas preferências estabelecidas.

Como um iniciante, você pode querer ficar longe de vinhos tintos encorpados ou amargos e mais secos. Minhas sugestões para novatos em vinho são os brancos das uvas Gewurztraminer, Sauvignon Blanc ou Riesling. No lado tinto, considere um Shiraz, Pinot Noir ou Sangiovese.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Do sabor das coisas por mais raro que seja, ou mais antigo, só um vinho é deveras excelente: aquele que tu bebes calmamente com o teu mais velho e silencioso amigo…

Mário Quintana

Encontrar um vinho adequado para o seu paladar é em grande parte um jogo de tentativa e erro. O produtor, o conteúdo mineral do solo, a sua idade, as diferenças regionais nas uvas e o clima são inúmeros fatores que podem afetar o sabor de um vinho. A principal coisa com a qual você precisa se preocupar como iniciante é: “isso tem um gosto bom para você ou não?”.

O vinho é sofisticado, mas ele pode se adequar às necessidades de vários orçamentos. Minha própria regra é: se for muito barato, você provavelmente vai se odiar depois de beber. Até saber o que está fazendo, afaste-se do vinho barato. Mime-se investindo em vinhos decentes e considere cada garrafa uma experiência. Você descobrirá que garrafas de vinho com mais qualidade geralmente são mais prazerosas.

Vários locais também contam com equipes amigáveis ​​e bem informadas, dispostas a ajudá-lo a começar sua jornada no mundo dos vinhos. É claro que os supermercados têm vinhos, mas as lojas especializadas estão mais preparadas para realmente explicar os produtos e te ajudar nas escolhas.

Muitos restaurantes costumam realizar eventos de degustação de vinhos e jantares requintados com várias harmonizações. Confira sempre em seus sites e mídias sociais para notícias e anúncios sobre esses eventos, são excelentes oportunidades de aprendizagem. Além disso, ao jantar em qualquer lugar, não tenha medo de pedir aos profissionais do vinho as sugestões sobre combinações de alimentos ou ver se as informações estão listadas no menu ao lado do item.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como um iniciante com vinho, você ficará surpreso com o quão diferente ele se comporta no paladar, quando acompanhado com os alimentos apropriados. Você aprenderá a combinar tintos robustos com carnes vermelhas e chocolates e vinhos brancos com frutos do mar, frango e porco. Pode haver muita etiqueta envolvida, mas sou um tanto rebelde com o vinho e geralmente gosto de quebrar as regras. Todos os vinhos que meu coração deseja, aprendi a degustar o que parece certo para mim no momento.

Lembre-se sempre de que o vinho é divertido e, como com qualquer nova experiência, é inteiramente sobre o que você faz dele. O vinho é emocional, uma vez que você se conecta com alguém que lhe interessa, continue com ele e aumente a partir daí.

Depois de identificar a uva com a qual você vibra, garanto que há centenas de variações e vinhedos que vai adorar desvendar. Como um novato, não tenha medo de fazer muitas perguntas, nenhuma pergunta é idiota. Preste atenção e observe o que os mais experientes ao seu redor estão fazendo. Se eles estão cheirando seu buquê e segurando seus copos pela haste, em vez do bojo, então você provavelmente deveria fazer isso também.

Peça recomendações aos seus amigos que já bebem vinho e à equipe do vinho, uma grande parte do aprendizado é conversar com pessoas que conhecem e obter dicas úteis. Também não canso de enfatizar o quão importante é participar de degustações de vinhos, há mais coisas acontecendo em Brasília e no Brasil do que você provavelmente imagina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Não tenha medo de experimentar.

Quando você experimentar algo de que goste, escreva ou tire uma foto do rótulo. Além disso, inscreva-se em assinaturas de e-mail para ficar por dentro das vendas, degustações e eventos especiais em nossas lojas de vinho locais. Há muita coisa acontecendo, então se envolva.

E agora, que você sabe por onde começar, compre alguns rótulos de vinho, um saca-rolhas de qualidade e vamos degustar!


Para te ajudar nos primeiros passos, veja alguns termos muito utilizados no mundo dos vinhos

Ácido

A acidez, normalmente, é detectada nas laterais da língua, estimulando a salivação. Ela é fundamental para manter o equilíbrio no vinho, porém, em demasia, é considerada um defeito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alcoólico

Este é fácil. Quando se prova um vinho e o álcool sobressai, este é o termo correto a ser usado.
Amadeirado – vinho dominado pela madeira. O forte odor e sabor de carvalho logo aparecem. Pode ser bom ou ruim, pois a madeira deve estar sempre balanceada pela fruta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Amanteigado

Normalmente associado aos vinhos brancos de uvas Chardonnay envelhecido em barris de carvalho, significa que tem odor e sabor de manteiga derretida.

Amargo

Normalmente, é um vinho com muitos taninos agressivos, deixando um retrogosto na boca que não agrada.

Aromático

Perfumes e frutas logo são sentidos em vinhos com esta característica. Os aromas podem ser divididos em 3 grupos: primários, provenientes da própria uva (ex.: frutas, flores, vegetais e animais), secundários, do processo de vinificação (ex.: madeira e leveduras) e terciários, desenvolvido após engarrafado (ex.: animais, mofo e tartufo).

Austero

Grandes vinhos sérios têm esta característica: aromas e sabores pouco frutados, com taninos marcantes e alta acidez, que contribuem para um envelhecimento na garrafa.

Aveludado

Vinho que possui uma textura suave e agradável no paladar, com os taninos amaciados.

Buquê

Termo que designa as características olfativas derivadas da vinificação, do envelhecimento em barris e garrafas.
Coloração – das menos intensas às mais pronunciadas, a coloração de um vinho indica muito sobre o líquido que está na taça. As básicas são amarelo, amarelo palha, alaranjado, rubi, púrpura e violeta.

Complexo

É um vinho difícil de avaliar, com nuances de aromas e sabores. Normalmente, são “Reserva” ou “Gran Reserva”, com estágio em barricas de madeira e na própria garrafa antes da comercialização.

Concentrado

A cor do vinho é bem escura, muito presente. Os aromas e sabores são intensos, bem pronunciados.

Corpo

É como o vinho se apresenta na boca. Existem 3 classificações: pouco corpo, médio corpo e encorpado. Nos tintos, o pouco corpo é verificado quando a bebida tende a ser mais translúcida na taça. Já no encorpado, é impossível enxergar através dele.

Curto

Vinho mais simples, que não persiste na boca, ou seja, com pouco retrogosto.

Doce

A doçura, normalmente, é detectada na ponta da língua. Trata-se de um vinho com muito açúcar residual não transformado em álcool.

Duro

Vinho jovem e marcante, com alta acidez e taninos pronunciados.

Elegante

É um vinho de muita qualidade, sutil e equilibrado. Quando nada é demais: não é encorpado demais, nem perfumado demais, nem tânico demais.

Equilibrado

Este termo é importantíssimo. Ao indicar que um vinho é equilibrado, o álcool, a acidez, os taninos e a doçura estão em harmonia e não sobressaem um ao outro.

Estruturado

Vinhos estruturados são aqueles em que o tanino se sobressai mais, talvez pelo próprio estilo da bebida, ou por serem vinhos novos.

Evoluído

Um vinho no ponto, que está maduro e pronto para beber.

Fechado

Parecido com a definição de austero, mas fechado é um vinho ainda jovem que ainda não teve tempo de abrir seus aromas e sabores e demonstrar todas as suas qualidades. Ao se perceber esta característica em uma garrafa, é interessante decantar o líquido com um decanter ou até mesmo na própria taça por um certo tempo.

Floral

Vinho que tem aroma de flores, como acácia, rosa, violeta e jasmim.

Frutado

Vinho que tem aroma de frutas, e são muitas as que se pode perceber. Exemplos: amora, cassis, cereja, morango e ameixa nos tintos e pêssego, damasco, melão, maracujá e abacaxi nos brancos.

Harmonizado

Se diz quando um vinho acompanha perfeitamente algum prato, ressaltando suas características e criando um conjunto sensorial de grande prazer.

Herbáceo

É um vinho com sensações vegetais, como grama ou ervas. Termo associado ao frescor e que não desaparece com a maturação. Em alguns casos, pode ser considerado um aspecto negativo.

Leve

Vinho descontraído, ligeiro, descompromissado, fácil de beber, que não tem complexidade.

Macio

Um vinho delicado, com taninos suaves.

Maduro

O mesmo que evoluído. É um vinho que atingiu seu estágio ideal para o consumo, com a evolução concluída.

Magro

Vinho sem graça, aguado e diluído. Sem caráter.

Mineral

No olfato, corresponde a calcáreo, rocha, terra molhada ou grafite. No palato, tem a ver com frescor, acidez e vivacidade.

Pesado

Vinhos muito estruturados, com muitos taninos, embora sem a delicadeza que os duros podem adquirir.

Potente

Vinho intenso, com altos níveis de taninos, acidez, corpo e fruta. Mas, mesmo assim, é equilibrado.

Redondo

O mesmo que equilibrado.

Retrogosto

É o gosto que fica na boca após beber o vinho. Pode ser curto ou longo, agradável ou ruim.

Taninos

É um dos componentes mais importantes do vinho tinto. Eles são encontrados nas cascas, sementes e engaços das uvas. A sensação de adstringência e secura na boca são ocasionadas pelos taninos. O perfil tânico de um vinho depende de inúmeros fatores, como variedade da uva, condições de safra e o trabalho do enólogo. É fundamental para a longevidade, a estrutura e a base dos tintos.

Terroir

Por fim, terroir é o conjunto de fatores que caracterizam uma determinada região vinícola: solo, clima, geografia e métodos aplicados pelo homem que garantem a qualidade de um rótulo.






Você pode gostar