Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Prazeres do vinho

Como identificar a qualidade dos vinhos

A qualidade dos vinhos de qualquer país varia muito. Você vai ao mercado e encontra aquelas prateleiras cheias de vinhos de vários tipos, ai você fica imaginando, mas o que há por trás de tudo isso?

Por Daiany Nasteoli 14/05/2021 11h54
Como identificar a qualidade dos vinhos

São vários rótulos, garrafas de vários países, de produção francesa, italiana, argentina, sul-africana, uvas de todo tipo como a Tannat, Carménère, Bonarda e de regiões distintas. Daí você se pergunta: Como eu posso entender tudo isso? Esses rótulos, esses termos.

Geralmente as pessoas querem experimentar um bom vinho que agrade o seu paladar. Mas às vezes a primeira experiência não é boa e a elas acabam desistindo.

Pra quem quer mergulhar no mundo dos vinhos, a primeira coisa que você deve entender é que ninguém nasce entendendo de vinho e que todo mundo que hoje é um profissional começou algum dia do zero. Entender de vinho não é pré-requisito para gostar de vinho, então primeiro você gosta e depois, se quiser, aprende. Ninguém é obrigado a estudar sobre vinhos pra apreciá-los. Ninguém é obrigado a estudar cinema para assistir um filme e gostar, certo? Sendo assim, o vinho pode continuar na sua vida sendo só prazer, sem tanto conhecimento.

O vinho talvez seja uma das bebidas que mais tenha variedade no mundo. Na Itália, provavelmente exista mais de um milhão de rótulos de vinhos diferentes, existem, pelo menos, dez mil tipos de uvas cultivadas em produção comercial no mundo, multiplica isso por diferentes climas e regiões, é! Realmente dá uma variedade infinita de vinhos.

O contato do consumidor iniciante sempre é a garrafa e o rótulo, o produtor sabe que a grande comunicação dele é um rótulo bonito e uma garrafa bonita, porque isso ajuda a vender. Agora pra quem está comprando a dica é a seguinte: O que determina a qualidade de um vinho em última instância é quem produz o vinho, é o produtor mesmo,

‘O autor do vinho’, então é muito comum ouvir falar – Eu gosto de malbec e não gosto nada de Cabernet Sauvignon. Isso pode ser um grande erro porque podemos ter tantos estilos e qualidades distintas de malbec ou de cabernet que generalizar não é um bom caminho.

Olhando os infográficos acima, onde indicam a escala de uvas mais encorpadas e as menos encorpadas confirmando que a mais encorpada é a Tannat e a menos encorpada é a Gamay, eu consigo dar uns dez exemplos de Gamay mais encorpada que Tannat, ou seja, no vinho existem muitas exceções. Então na verdade busque bons produtores. Entenda sobre o produtor e não somente sobre aquele vinho específico ou daquela uva em específico.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

E como aprender a analisar dessa forma? Bom, com um pouco de prática, provando muitos vinhos de produtores e regiões diferentes, consultado os especialistas, as mídias, buscando informação. Todos os grandes produtores de vinhos no mundo produzem vinhos de muita qualidade, mas também produzem vinhos mais simples ou até mesmo vinhos mal elaborados. Então não é o país que garante a qualidade do vinho.

A “Marca” sempre vale mais do que o país produtor. A uva tem um DNA e tem uma gama de aromas e sabores e isso vai ser transmitido para o vinho, agora a mão de quem fez que vai determinar a qualidade do vinho e essa diferença entre rótulos.

Exemplo prático, um enólogo pode elaborar com uma cabernet sauvignon que tem o estereótipo de uma uva mais encorpada e pode muito bem produzir um vinho branco ou um vinho espumante com essa uva, então depende muito das decisões que foram tomadas, de como foi trabalhado o processo e tudo mais que foi envolvido na produção.
Então deguste pouco de muitos vinhos e não muito do mesmo vinho. Pouquíssimas pessoas não tem paladar. O paladar se educa, é um sentido e um sentido você treina você começa a perceber mais quanto mais for degustando.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE






Você pode gostar