Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Literatura

Figura da ‘feminista estraga-prazeres’ guia livro de Sarah Ahmed que chega ao Brasil

O livro “Viver uma Vida Feminista”, publicado originalmente há cinco anos no Reino Unido, chega ao Brasil agora em edição da Ubu

Por FolhaPress 20/05/2022 12h18
A escritora e pesquisadora Sara Ahmed, autora de ‘Viver uma Vida Feminista’, da Ubu – Divulgação

O que nos leva ao feminismo é o que nos despedaça. Essa é uma das ideias iniciais de Sara Ahmed, escritora anglo-australiana para quem é justamente essa proximidade com o ser que permite que o feminismo ajude as mulheres a se reerguerem, a juntarem os caquinhos, seus pedaços estilhaçados pelo patriarcado.

Autora de “Viver uma Vida Feminista”, livro publicado originalmente há cinco anos no Reino Unido e que chega ao Brasil agora em edição da Ubu, Ahmed quer trazer o feminismo para dentro de casa e, por isso, investiga a relação da sociedade com aquelas que chama de “feministas estraga-prazeres”.

“Se apontar que violência, poder ou injustiça causa infelicidade, feministas estraga-prazeres estão dispostas a causar infelicidade”, resume. Ahmed argumenta que, ao questionar o status quo, o feminismo ganhou uma carga negativa, de ser contrário à felicidade. Logo, se tornar feminista é estragar os prazeres dos outros; é atrapalhar os esforços dos outros.

Sendo assim, a felicidade de uma menina deveria estar relacionada a usar roupas “de menina”, brincar com brinquedos “de menina” e futuramente se casar e construir uma família com um menino -sob a desculpa de que isso tornaria a sua vida mais “fácil”. Mas é só isso que ela pode querer?

“Quando a felicidade se torna o nosso objetivo ou o que temos que causar nas pessoas, passa a ser algo muito restritivo. Às vezes me refiro à ‘alegria de estragar-prazeres’ como uma experiência enérgica que adquirimos quando vivemos uma vida feminista”, comenta.

Foto/Reprodução

Além do feminismo, a acadêmica, filha de um paquistanês muçulmano com uma britânica branca, centra seus estudos em teoria crítica da raça e pós-colonialismo. Na divisão étnica e racial britânica, Ahmed está na categoria “brown”, que engloba também pessoas de diversas ascendências, como os indianos.

Logo nas primeiras páginas do livro, ela divide com o público uma decisão política, a de não usar o trabalho de nenhum homem branco como referência para a pesquisa -ela lembra só um conto macabro dos irmãos Grimm.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Quando digo homem branco me refiro a uma instituição”, escreve. Seu livro dá protagonismo àqueles e àquelas que contribuíram para a genealogia intelectual do feminismo e do antirracismo. “Minha política de citações me deu mais espaço para me ocupar das feministas que vieram antes mim. A citação é a memória feminista”, afirma.

Em 2022, cinco anos depois da publicação original do livro, a autora se preocupa com a escalada da extrema direita pelo mundo. “No Reino Unido, a supremacia branca e a transfobia fazem parte do mainstream. Liberdade de expressão está sendo usada como ferramenta para legitimar visões que violentam tantas pessoas, negros, imigrantes, queer, pessoas não binárias”, diz.

Ahmed também critica a forma como o feminismo é entendido como algo que o Ocidente deu ao mundo. Isso se manifesta na forma como costumam supor que ela foi influenciada por sua família materna, de origem britânica, branca e cristã, a ser feminista. Na verdade, é graças à sua tia Gulzar Bano, poeta e ativista muçulmana.

“Com ela, aprendi que feminismo é sobre nos abrir para o que podemos ser, feminismo é uma forma de se enxergar e se comprometer a desafiar a violência e a injustiça”, conta. Na universidade, ela se encantou pelas produções de intelectuais negras e de outras identificações étnicas e raciais. “Audre Lorde e Gloria Anzaldúa inflamaram minha imaginação ao unirem poesia e teoria crítica como uma forma de dar sentido às suas vidas e lutas.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando o governo britânico instituiu que centros de pesquisa precisariam contar com profissionais de diversidade, lá estava Sara Ahmed exercendo essa função. No livro, a feminista define o seu trabalho como o de uma “encanadora profissional”. Ela descobria como e onde as coisas ficavam presas. A diferença é que Ahmed não tinha poder para desentupir “canos”. Sua tarefa era tão somente redigir relatórios, deixar um “rastro de papel”.

Em 2016, a falta de pragmatismo diante de assuntos urgentes fez com que ela pedisse demissão da Goldsmiths, da Universidade de Londres. A escritora era diretora do centro de pesquisa feminista da instituição. “Renunciei em protesto contra o fracasso em resolver o problema do assédio sexual”, anunciou em seu blog, chamado Feminist Kill Joys.

Segundo Ahmed, houve inquéritos para investigar alguns casos, mas não houve nenhum reconhecimento público da extensão do problema. À época, a imprensa britânica noticiou que acusações semelhantes foram feitas pela primeira vez nos anos 1990, mas ignoradas pela universidade.

“Quando falo sobre o problema do assédio sexual, não estou falando de um indivíduo desonesto, ou dois, nem mesmo de uma instituição desonesta. Estamos falando sobre como o assédio sexual se torna normalizado e generalizado -como parte da cultura acadêmica”, escreveu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Agora, como pesquisadora independente, Ahmed continua conversando com profissionais que trabalham com diversidade. A sensação de que estão apenas arranhando a superfície de um problema é um denominador comum, mas ainda assim é algo.

“Podemos mostrar que as organizações não estão fazendo o que dizem que fazem. Podemos usar suas próprias declarações de compromisso para pressionar a fazer mais e melhor”, sugere.

Depois da publicação de “Viver uma Vida Feminista” no Reino Unido, Ahmed se dedicou a uma pesquisa sobre os custos de reclamar -“Complaint!” foi lançado no ano passado no país-, o que a deixou mais otimista. “Podemos dividir os custos da reclamação”, diz. “Podemos apoiar uns aos outros. Podemos nos tornar mais inventivos trabalhando juntos.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar