Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Cinema

Um Lugar Silencioso – Parte II eleva tensão e imersão

Adiado em função da covid-19, a obra cinematográfica Um Lugar Silencioso – Parte II (A Quiet Place Part II) tinha a data original de lançamento marcada para o final de março de 2020, mas só teve a estreia oficial em 2021

Por Mateus Arantes*
Agência de Notícias UniCEUB

Adiado em função da covid-19, a obra cinematográfica Um Lugar Silencioso – Parte II (A Quiet Place Part II) tinha a data original de lançamento marcada para o final de março de 2020, mas só teve a estreia oficial em 2021. John Krasinski, famoso por interpretar Jim Halpert na série de comédia The Office, se apresentou como diretor para o mundo na primeira parte da franquia em 2018, o norte-americano volta para dirigir o longa. O primeiro filme arrecadou US$ 340 milhões na bilheteria, contando com orçamento de US$ 17 milhões.

Confira o trailer oficial da Parte I

Confira o trailer da Parte II

O apocalipse

Um Lugar Silencioso – Parte II começa com um breve prólogo contando como se iniciou o apocalipse que transformou o mundo naquele local hostil. Porém, o principal foco do flashback é introduzir o novo personagem que será importante ao decorrer do filme, Emmett, (Cillian Murphy). A sequência da obra é direta em relação ao primeiro, voltam com a família Abbott, mostrando as consequências e desenrolar dos eventos que serão enfrentados.

O filme, desta vez, expande o cenário, fazendo com que explorarem mais do visual pós-apocalíptico. E esse é um ponto alto do filme. Durante o decorrer da história, fica clara a passagem de bastão perante os filhos do falecido Lee Abbott (John Krasinski). Evelyn Abbott (Emily Blunt), Regan Abbott (Millicent Simmonds) e Marcus Abbott (Noah Jupe) assumem o protagonismo de fato no terceiro ato, mostrando o amadurecimento dos dois personagens.

Protagonismo

Cillian Murphy foi um dos grandes acertos do filme, deixando o longa mais convincente dentro da proposta apresentada, introduzindo mais drama, emoção e imprevisibilidade ao longa. Uma ótima aquisição! Inclusive, a relação entre Emmett e Evelyn recorda Joel e Ellie, da premiada franquia de jogos The Last of Us.

Por já saberem como derrotar os monstros, que foi mostrado em “Um Lugar Silencioso”, não existe mais o fator novidade e, sem isso, a necessidade de mistério desaparece, logo, as criaturas estão presentes em vários momentos do filme. O que torna o longa mais frenético, porém, igualmente tenso, intrigante e imersivo.

Um Lugar Silencioso – Parte II passa a impressão de que os personagens principais não são protegidos e estão largados à deriva, podendo sofrer qualquer tipo de consequência, contando apenas com sorte e os conhecimentos adquiridos. É um dos principais motivos do filme ser tão submerso, nos deixando apreensivos até mesmo nos momentos de calma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Planos abertos e fechados

Menção honrosa para a diretora de fotografia Polly Morgan, que sabe muito bem os momentos de alternar entre os planos abertos e fechados, e também para o responsável pela trilha sonora, o compositor Marco Beltrami, os dois são de grande importância para a ambientação do filme.

O filme tem 1h37m de duração, e, quando acaba, já queremos assistir de novo ou saber o desenrolar da história. Por ter um final muito abrupto, pode até mesmo incomodar algumas pessoas. Para quem gostou do primeiro, usando a mesma fórmula, o longa-metragem será um grande deleite, aproveitando cada segundo do espectador.

Ficha técnica

Elenco: Cillian Murphy, John Krasinski, Emily Blunt, Millicent Simmonds, Noah Jupe
Direção: John Krasinski
Roteiro: John Krasinski
Duração: 1 hora e 37 minutos

Por Mateus Arantes*

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

* assistiu à pré-estreia a convite da Espaço/Z

Supervisão de Luiz Claudio Ferreira






Você pode gostar