Jornal de Brasília

Informação e Opinião

Entretenimento

As belas-artes brasilienses

No mês do artista plástico, o Jornal de Brasília entrevistou grandes talentos da cidade

As belas-artes brasilienses Clarice Gonçalves e Felipe Bittar. Fotos: Divulgação

Amanda Karolyne
[email protected]grupojbr.com

Seja a arte em tela, esculturas, pinturas, desenhos, gravuras, cerâmica, e tecelagem, as artes plásticas assumem muitas formas. No mês de maio, é celebrado o dia do artista plástico. O JBr conversou com alguns dos nomes da cena brasiliense das belas-artes.

Na tela e na pele

O trabalho de Felipe Bittar, 38, tem duas vertentes: a pintura em tela e a tatuagem. Em ambos os casos, ele usa o mesmo método para pintar, que envolve a aquarela e a arte abstrata.

“Eu considero, que a pintura na tela e as tattoos, sejam a mesma coisa. Trabalho com arte. São técnicas diferentes, com filtros diferentes, mas é a mesma coisa”, afirma.

Ao completar trinta anos, ele parou com tudo e com o desejo de aprender a tatuar. Foi quando vendeu seus equipamentos de fotografia e foi realizar seu sonho. “Comecei no impulso, mas eu senti essa necessidade de aprender”, destaca.

Em 2019 tudo mudou. Felipe fez uma viagem para a Europa, e lá ele se encontrou como artista de verdade. “Quando voltei, estava abrindo um estúdio e decidimos que íamos ter uma galeria de arte”, conta. Foi, então, que ele fez a primeira exposição, Olhares, com um retorno muito positivo e “muito bem aceito no nicho abstrato”.

Ao se descobrir como artista plástico independente, em paralelo, começava em uma nova vertente: o abstracionismo na tatuagem. “Vi ali a possibilidade de fazer na pele o que eu fazia na tela, por isso eu digo que não separo as coisas, só muda a tela estática, para a tela viva, a tela gente”, adiciona.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O imaginário e a observação

Quem também trabalha com aquarela é a artista plástica Isabela Couto, 36, que começou no departamento de artes da Universidade de Brasília (UnB).

Ainda no curso, ela começou a fazer desenhos relacionados à natureza, mas trabalhando com o imaginário, sem observação externa. “Eram formas minhas, que vinham da minha cabeça. Foi quando fiquei com vontade de treinar mais as questões de observação e fui parar na botânica”, afirma.

Atualmente, Isabela está com a exposição “Guardadora da Água” no Museu Nacional em Brasília, com 12 aquarelas, um caderno e dois vídeos.

O corpo feminino na arte de Clarice

A artista plástica Clarice Gonçalves, 36, conta que desde sempre foi uma pessoa quieta, introspectiva e observadora. Para ela, desenhar foi sempre uma forma de comunicar. “Não gostava quando eu desenhava das pessoas olharem, até mesmo na faculdade, eu relutava em mostrar alguns trabalhos”, revela.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A artista considera que a biologia humana, acaba definindo muito a forma que a gente existe na sociedade, e a sua arte vem muito de abordar isso. “Quando eu passei pelo processo da maternidade, foi muito forte e intenso”, afirma.“Meu trabalho vai se modificando a partir desses lugares, desses pontos de convergência e a partir do corpo”, finaliza.

Arte terapêutica

Fernanda Azou, 28, se apropriou do termo cinematográfico Gore, e acredita que sua carreira começou como uma forma de autoconhecimento, quase uma terapia para lidar com alguns problemas de saúde mental que a acompanham desde nova. “Hoje em dia construo pensamentos que vão para além do meu íntimo, mas que permeiam comportamentos de uma geração”, afirma.

A artista plástica se inspira muito em temas sobre psicanálise e a subjetividade do indivíduo, sempre para um lado mais abjeto da realidade. “Gosto de pensar que toco na ferida e o sentimento de ‘memento mori’ está sempre presente de alguma forma”.

De acordo com Fernanda, ela não vive somente de arte. “Tenho que fazer alguns trabalhos à parte para me sustentar, e durante a pandemia foi bem difícil arranjar um emprego e conciliar com a produção das obras”, relembra. Em 2021, a convite da editora Autofágica, ilustrou o livro Os Assassinatos na Rua Morgue de Edgar Allan Poe. “Foi uma parceria que me enriqueceu muito como artista, por ser um autor que admiro e por seus trabalhos literários terem um caráter mais sombria e onírica”, ressalta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE








Você pode gostar