fbpx
Siga o Jornal de Brasília

Economia

Relatório do Ministério da Economia prevê déficit primário de R$ 787,449 bi

Em relação ao relatório bimestral de dois meses atrás, a projeção para a receita primária total no ano caiu R$ 21,201 bilhões, de R$ 1,477 trilhão para R$ R$ 1,456 trilhão

Avatar

Publicado

em

PUBLICIDADE

Com as medidas voltadas para o enfrentamento dos impactos da pandemia de covid-19, o rombo nas contas públicas do Governo Central deve encerrar este ano em R$ 787,449 bilhões, de acordo com o 3º Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas pelo Ministério da Economia. Na última previsão divulgada pelo governo no início de julho, a estimativa para o déficit do Governo Central estava em R$ 795,6 bilhões.

Em relação ao relatório bimestral de dois meses atrás, a projeção para a receita primária total no ano caiu R$ 21,201 bilhões, de R$ 1,477 trilhão para R$ R$ 1,456 trilhão. A previsão para as receitas administradas ficou R$ 23,040 bilhões menor, passando de R$ 914,334 bilhões para R$ 891,294 bilhões.

Dentro desses montantes, a arrecadação esperada com royalties do petróleo ficou R$ 5,253 bilhões maior, chegando a R$ 57,329 bilhões neste ano. A projeção para o valor arrecadado com concessões também cresceu R$ 448,5 milhões, para R$ 4,748 bilhões em 2020. As receitas com dividendos foram reduzidas em R$ 11,6 milhões, para R$ 6,038 bilhões.

Já a estimativa para as despesas totais em 2020 aumentou em R$ 229,300 bilhões em relação ao relatório de maio, passando de R$ 1,753 trilhão para R$ 1,982 trilhão. As despesas obrigatórias aumentaram em R$ 233,558 bilhões, enquanto os gastos discricionários caíram em R$ 4,257 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda assim, a projeção de despesas com benefícios previdenciários caiu R$ 1,731 bilhão, para R$ 677,181 bilhões. Da mesma forma, a estimativa para despesas com pessoal e encargos sociais foi reduzida em R$ 1,073 bilhão, para R$ 324,793 bilhões. A previsão para os gastos com abono e seguro desemprego caiu R$ 673,4 milhões, para R$ 62,812 bilhões.

Para combater a pandemia do novo coronavírus, o governo federal recebeu autorização do Congresso para gastar mais do que estava previsto para esse ano, no que foi batizado de “orçamento de guerra”. Por isso, a equipe econômica não precisa cumprir a meta de déficit primário de 2020, que era de R$ 124 bilhões.

Mais previsões

O 3º Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, divulgado pelo Ministério da Economia, também atualizou a projeção da equipe econômica para a massa salarial em 2020, de queda de 2,9% para retração de 3,7%. Em relação ao relatório de maio, a estimativa para a Selic média em 2020 passou de 3,1% para 2,6% ao ano. Atualmente, a taxa está em 2,25% ao ano.

A projeção para o preço médio do barril de petróleo foi atualizada de US$ 35,7 para US$ 41,9. Já o câmbio médio de 2020 passou de R$ 5,0 para R$ 5,1.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As demais atualizações da grade de parâmetros macroeconômicos da pasta já haviam sido divulgadas na semana passada pela Secretaria de Política Econômica (SPE).

Estadão Conteúdo




Leia também


Publicidade
Publicidade
Publicidade